Airbnb pagará o translado dos corpos de família encontrada morta no Chile

  • Por Jovem Pan
  • 23/05/2019 16h10 - Atualizado em 23/05/2019 16h20
Reprodução/InstagramSegundo informações do Itamaraty, eles morreram devido a um vazamento do gás monóxido de carbono

A plataforma de aluguel Airbnb informou, nesta quinta-feira (23), que irá arcar com os custos do translado dos corpos da família encontrada morta em um apartamento em Santiago, no Chile. Antes da empresa fazer o comunicado, a prima das vítimas, Noemi Fortunato Nascimento, havia feito uma vaquinha online para custear a viagem. A campanha pedia R$ 100 mil.

“Estamos profundamente consternados com este trágico incidente. Nós nos solidarizamos com os familiares e estamos em contato para prestar todo apoio necessário aos familiares neste momento difícil. A segurança de nossa comunidade de viajantes e anfitriões é a nossa total prioridade”, divulgou o Airbnb em nota.

A empresa possui um seguro para proteger danos aos imóveis e indenizar os proprietários se ocorrerem problemas. Em situações de acidentes com turistas, as situações são avaliadas caso a caso, segundo a assessoria de imprensa.

O Itamaraty disse que a lei não obriga as autoridades brasileiras a custear o translado de corpos de brasileiros mortos no exterior.

As vítimas são um casal, Fabiano de Souza, de 41 anos e Débora Muniz, de 38, e seus dois filhos adolescentes, Karoliny, de 15, e Felipe Nascimento, de 13. Eles estavam em Santiago para comemorar o aniversário de 15 anos da filha. Também estavam no apartamento o irmão da mulher e a cunhada dela, Jonathas Nascimento, 30, e Adriane Krueger, que moravam em São Paulo. O casal e os adolescentes eram de Biguaçu, na Grande Florianópolis.

Segundo informações do Itamaraty, eles morreram devido a um vazamento do gás monóxido de carbono. O edifício onde os brasileiros estavam fica na esquina das ruas Santo Domingo e Mosqueto, no centro de Santiago.