Alckmin: “não temos medo de Lula”, que “será condenado nas urnas”

  • Por Jovem Pan
  • 11/01/2018 13h03 - Atualizado em 11/01/2018 15h10
ALICE VERGUEIRO/ESTADÃO CONTEÚDOSeguidores de Alckmin criticaram frase do nome mais forte do PSDB para a disputa presidencial

Em post de pré-campanha presidencial em sua conta no Twitter nesta quinta-feira (11), o governador de São Paulo e pré-candidato tucano Geraldo Alckmin escreveu: “não temos medo do PT e do Lula”.

“Acreditamos na experiência do eleitor brasileiro, que viveu a pior crise da nossa história e saberá fazer a escolha certa”, completou Alckmin, seguido da hashtag de sua pré-candidatura #PreparadoParaoBrasil.

Na mesma publicação, o governador compartilha frase dele mesmo dita em dezembro do ano passado, na qual defende que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado em 1ª instância por corrupção e líder nas pesquisas de intenção de voto, seja “condenado nas urnas”.

“Lula será condenado nas urnas pela maior recessão da nossa história, pelos 15 milhões de empregos perdidos, pelas milhares de empresas fechadas, pelos sonhos desfeitos e negócios falidos”, disse Alckmin.

Recurso da defesa de Lula contra a condenação de 9 anos e 6 meses de prisão imposta por Sergio Moro no caso do tríplex será julgada no próximo dia 24 pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, responsável pela Lava Jato na 2ª instância.

Lula foi condenado por Moro por corrupção passiva e de lavagem de dinheiro. Ele teria recebido propina da empreiteira OAS por meio da reforma de um apartamento tríplex no Guarujá, litoral paulista. A defesa do petista nega os favores à empresa e a posse do imóvel.

Caso a condenação seja confirmada pelo TRF4, Lula pode ficar inelegível segundo a Lei da Ficha Limpa. Aliados do petista, no entanto, pretendem estender sua candidatura o máximo possível por meio de recursos e embargos para garantir a presença do ex-presidente no debate eleitoral e fortalecer o discurso de suposta perseguição política.

Seguidores de Alckmin nas redes sociais reagiram negativamente à frase do tucano de que Lula deve ser condenado “nas urnas”. “Discordo. Ele cometeu crimes. Que seja punido. Urna não é tribunal”, escreveu Fábio Vieira. “Tem que ser condenado pela justiça. Independente da crise, ele cometeu crimes”, opinou Leopoldo Remigio.