Renan Calheiros desiste de candidatura à presidência do Senado

  • Por Jovem Pan
  • 02/02/2019 17h53 - Atualizado em 02/02/2019 17h57
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO

Renan Calheiros (MDB-AL) renunciou à disputa para a presidência do Senado na tarde deste sábado (2). O emedebista alegou fraude no processo após uma cédula a mais ter sido encontrada na urna de votação, o que fez com que os parlamentares anulassem o pleito.

“Estamos vivendo um constrangimento aqui”, acusou Calheiros. “Ontem, a maioria teve de judicializar a decisão do Senado. É a primeira vez que isso acontece numa Casa legislativa. Agora, estamos repetindo uma votação que foi anulada, porque um senador colocou uma cédula dentro de outra cédula”.

A sessão que decide a presidência do Senado começou começou na tarde desta sexta (1), com intensos debates entre os parlamentares sobre a abertura ou não dos votos. A oposição a Renan, liderada por Davi Alcolumbre, conseguiu 50 votos para que a eleição deixasse de ser sigilosa. Foram apenas dois contra.

O grupo do emedebista combinou de não participar da votação para não legitimá-la. Na manhã deste sábado, no entanto, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, decidiu atender ao pedido formulado pelo Solidariedade e pelo MDB e reverteu a decisão.

Seis senadores disputavam hoje o comando do Senado: Ângelo Coronel (PSD-BA), Davi Alcolumbre (DEM-AP), Fernando Collor (Pros-AL), Esperidião Amin (PP-SC), Renan Calheiros (MDB-AL) e Reguffe (sem partido-DF).  Simone Tebet (MDB), Álvaro Dias (Podemos) e Major Olímpio (PSL) retiraram suas candidaturas em apoio a Alcolumbre.