Ao esticar inquérito de Aécio, Gilmar reclama de ‘atraso das investigações’

  • Por Estadão Conteúdo
  • 24/11/2016 14h40
DF - ELEIÇÕES 2016/TSE/FORÇAS ARMADAS - POLÍTICA - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, durante reunião extraordinária no plenário do TSE, em Brasília, nesta sexta-feira. O TSE aprovou o envio de reforço de tropas das Forças Armadas a 315 municípios do país para garantir a segurança das eleições municipais. 30/09/2016 - Foto: ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO CONTEÚDOGilmar Mendes: candidatos presos chegam a 83

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), prorrogou por mais 60 dias o inquérito que investiga o envolvimento do senador Aécio Neves (PSDB) em um suposto esquema de corrupção em Furnas. A decisão de Gilmar Mendes atende a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para a extensão do prazo para a conclusão das investigações. 

Ao estender o prazo, o ministro Gilmar Mendes criticou a demora na apuração. “Registro que houve atraso no desenvolvimento das investigações”, anotou Gilmar Mendes. “Ficam a autoridade policial e o Ministério Publico Federal instados a observar os prazos de tramitação, nesta e em todas as investigações supervisionadas por este relator”.

O tucano é suspeito de receber propina do ex-diretor de Furnas, Dimas Toledo, em um esquema de desvio de recursos na estatal semelhante ao investigado pela Lava Jato. O caso já havia sido relatado nas delações do lobista Fernando Moura e do doleiro Alberto Youssef.

Segundo o ministro, os autos foram remetidos à Corregedoria-Geral da Policia Federal para inquirição de três testemunhas, interrogatório do investigado e requisição e juntada de documentação.

Gilmar descreveu, na decisão, o andamento da investigação. O ministro afirmou que a remessa dos autos à Corregedoria-Geral da Polícia Federal foi feita em 10 de junho deste ano e, após redistribuição interna, os autos foram despachados em 11 de julho, “mais de mês após a remessa”.

“As inquirições não foram realizadas ou agendadas. Solicitada a prorrogação do prazo, foram os autos enviados à Procuradoria-Geral da Republica, em 7 de outubro de 2016. A devolução ocorreu somente em 17 de novembro de 2016”, observou Gilmar Mendes.