Ao restituir poder às Forças Armadas, Temer diz que é preciso democratizar o País

  • Por Estadão Conteúdo
  • 01/07/2016 13h12
Brasília - O Presidente interino Michel Temer faz pronunciamento no Palácio do Planalto ( Marcelo Camargo/Agência Brasil)Michel Temer Fotos Públicas - AGPT - caretas

O presidente em exercício Michel Temer afirmou, nesta sexta-feira (1), durante cerimônia fechada no Palácio do Planalto com representantes das Forças Aramadas, que é preciso democratizar o Brasil, “precisamos democratizar e reconstitucionalizar o País”, discursou, ao assinar decreto que devolve funções administrativas aos comandantes da Marinha, Exército e Aeronáutica. 

Além dos comandantes das Forças Armadas, participaram da cerimônia no gabinete presidencial os ministros da Defesa, Raul Jungmann, e da Justiça, Alexandre de Moraes. 

O decreto, assinado pela presidente afastada Dilma Rousseff, nas vésperas de 7 de setembro de 2015, durante a gestão do então ministro da Defesa Jaques Wagner, causou revolta nas três Forças e criou uma crise militar, conforme informou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, na época.

A medida, considerada ilegal pelos militares, foi entendida como uma interferência indevida nas Forças Armadas e uma “picuinha” da então secretária-geral da pasta Eva Chiavon, que, apesar de questionada pela Casa Civil, informou ao Planalto, nas duas vezes em que foi consultada, que os comandantes tinham conhecimento e concordavam com o texto.