Após denúncia, Temer diz que Padilha fica no cargo

  • Por Estadão Conteúdo
  • 22/12/2016 12h25
Brasília - Presidente Michel Temer e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha durante cerimônia de Lançamento do Programa Criança Feliz (Carolina Antunes/PR)Michel Temer e Eliseu `Padilha - ABR

O presidente Michel Temer disse nesta manhã de quinta-feira (22) que não vai tirar o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, do cargo. Em café com jornalistas no Palácio da Alvorada, Temer afirmou que Padilha “continua firme e forte no governo”. “Não tirarei o chefe da Casa Civil. Não haverá mudança”, disse.

A Coluna do Estadão, do jornal O Estado de S. Paulo, revelou, também nesta quinta, que o ministro pediu ao lobista Lúcio Funaro uma entrega de dinheiro no escritório do ex-assessor da Presidência José Yunes. Funaro teria entregue a Yunes dinheiro vivo repassado pela Odebrecht. A quantia foi de R$ 1 milhão, de acordo com a Coluna. 

Um dos auxiliares mais próximos de Temer, Yunes deixou o governo após vir à tona delação do ex-executivo da Odebrecht Cláudio Melo Filho. Ele narrou uma reunião em que Temer teria pedido a Marcelo Odebrecht recursos para o PMDB. Marcelo teria decidido repassar R$ 10 milhões, sendo que R$ 6 milhões teriam ido para campanha de Paulo Skaf e R$ 4 milhões entregues ao ministro Padilha e Yunes. 

À Coluna, Padilha disse que “não pediu” nada a Funaro. No encontro com jornalistas, o presidente afirmou ainda não ter “nenhuma intenção neste momento de fazer mudança na equipe”. “Naturalmente, não sei o que vai acontecer daqui pra frente”, completou.