Aras diz que cooperação internacional dará prioridade a investigação sobre Bouboulina

Há indícios de que o navio da empresa grega Delta Tankers estaria envolvido com o derramamento de óleo

  • Por Jovem Pan
  • 02/11/2019 14h37 - Atualizado em 02/11/2019 14h38
Marlon Costa/Estadão ConteúdoA Polícia Federal deflagrou, nesta sexta, a Operação Mácula, para apurar a origem do vazamento

O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou neste sábado (2) que a Secretaria de Cooperação Internacional dará prioridade à Operação Mácula, que mira o navio grego Bouboulina, suspeito de ser a origem do vazamento de óleo que atingiu as praias do Nordeste brasileiro.

“A atuação repercute de forma extremamente positiva nacional e internacionalmente, prevenindo futuros casos e, por isso, merece todo apoio da PGR, que inclusive já disponibilizou a secretaria de cooperação jurídica internacional para que trate o caso como prioritário”, disse Aras.

A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta sexta-feira (1º), a Operação Mácula, para apurar a origem do vazamento. Ao todo, dois mandados de busca e apreensão foram cumpridos no Rio de Janeiro: as empresas Lachmann Agência Marítima e Witt O’Brien’s Brasil.

A Procuradoria do Rio Grande do Norte destacou que há “fortes indícios”de que o navio petroleiro NM Bouboulina, da empresa grega Delta Tankers, estaria envolvido com o derramamento de petróleo.

Marinha informou neste sábado (2) que encontrou fragmentos de óleo na região do arquipélago de Abrolhos, um dos principais berços de biodiversidade do Atlântico Sul.

* Com informações do Estadão Conteúdo