Ataque em Campinas não muda disposição do governo Bolsonaro em liberar armas, diz Onyx

  • Por Jovem Pan
  • 12/12/2018 14h32
Fátima Meira/Estadão ConteúdoPara ministro da transição, ataque e liberação de armas são "coisas completamente diferentes"

O ministro da transição de governo, Onyx Lorenzoni, disse na terça-feira (11) que o ataque a tiros que terminou com cinco mortos na Catedral Metropolitana de Campinas (SP) não vai mudar a disposição do presidente eleito Jair Bolsonaro em liberar a posse de armas de fogo no País. “São coisas completamente diferentes”, afirmou.

Para o futuro chefe da Casa Civil, ex-presidentes do PT – com auxílio do MDB – desrespeitaram a vontade da população, que votou contra o desarmamento em referendo de 2005 sobre o tema. “O presidente [eleito] pretende respeitar a vontade expressa pela maioria naquele momento, o direito à legítima defesa. Vamos respeitar isso dentro da lei.”

‘O novo governo vai tornar isso recorrente’

Em rede social, a presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, senadora Gleisi Hoffmann (PR) relacionou o crime com a proposta de Bolsonaro para que cidadãos “comuns” tenham armas. Para ela, eleita deputada federal em outubro, o Brasil poderia ter esse tipo de ataques com maior frequência.

“Massacre na igreja de Campinas assusta e alerta com a possibilidade de o Brasil ter com mais frequência crimes, [no] estilo americano. Assassino sofria de depressão. Estava desempregado desde 2014. Se liberar armas e continuar incitando violência, o novo governo vai tornar isso recorrente”, escreveu a petista no Twitter.

O crime

O analista de sistemas Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos, entrou na catedral após uma missa e abriu fogo contra oito pessoas. Policiais que estavam perto do local ouviram os tiros e conseguiram balear o criminoso. Cercado, ele subiu no altar da igreja e se matou. A Polícia Civil investiga as motivações.

*Com informações do Estadão Conteúdo