‘Até o momento foi coincidência’, diz promotora sobre suspeito de matar Marielle ser vizinho de Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 12/03/2019 16h36
FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO Membros do Ministério Público falaram à imprensa nesta tarde

O Ministério Público trata, por enquanto, como coincidência o fato de um dos suspeitos da morte da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL) ser vizinho de Jair Bolsonaro no Rio de Janeiro. Ronnie Lessa mora no mesmo condomínio em que o presidente tem casa.

“Absolutamente, não há nenhum fato que diga que tem alguma vinculação. Muito pelo contrário, não temos controle dos nossos vizinhos. Até esse momento, o fato foi coincidência”, disse a promotora Simone Sibílio, em entrevista coletiva nesta terça-feira (12).

Mais cedo, Lessa – que é policial militar reformado – e Elcio Vieira de Queiroz, expulso da corporação, foram detidos, acusados de envolvimento na morte de Marielle e do motorista Anderson Gomes. O crime aconteceu em março do ano passado.

Ronnie Lessa é apontado como o autor dos disparos de arma de fogo que mataram as duas vítimas. Simone Sibílio é coordenadora do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro.

Segundo a linha de investigação de promotores, a vereadora e o motorista foram assassinados por causa das bandeiras levantadas pela parlamentar. Ainda não está eliminada a suspeita de que possa ter havido um mandante para o crime, entretanto.

*Com informações do Estadão Conteúdo