Autoridades de saúde temem sobrecarga hospitalar no interior de SP

  • Por Jovem Pan
  • 11/05/2020 13h00 - Atualizado em 11/05/2020 13h01
EFE/Fernando Bizerra Jr/ArchivoA taxa de concentração de novos casos da Covid-19 no Estado em cidades fora da Grande São Paulo subiu de 15% para 32%

Com mais de 12 internações e 4 mortes por hora no Estado, a interiorização acelerada de casos da Covid-19 em São Paulo colocou em alerta autoridades e profissionais de saúde. Das 645 cidades paulistas, 412 já têm pelo menos um caso confirmado, e há um ou mais óbitos em 177 municípios.

Ao menos 90 cidades paulistas com até 10 mil habitantes tinham casos positivos de coronavírus até o sábado (9). Dessas, 26 têm menos do que 5 mil habitantes. Em 11 pequenas cidades já houve ao menos uma morte pela Covid-19. Nenhuma dispõe de leitos de UTI.

A taxa de concentração de novos casos da Covid-19 no Estado em cidades fora da Grande São Paulo subiu de 15% para 32% na semana passada. Para o especialista em geografia da saúde e professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Raul Guimarães, o avanço acelerado da doença no interior e no litoral está diretamente relacionado ao relaxamento da quarentena.

“O risco de faltar capacidade de atendimento hospitalar para os casos mais graves é grande.” O médico pneumologista e professor da Unicamp, Luiz Cláudio Martins, concorda e afirma que a flexibilização da quarentena neste momento seria “algo temerário, que precisa ser tratado com muito cuidado”.

O Secretário de Desenvolvimento Regional do Estado, Marco Vinholi, alertou que se a curva de crescimento for mantida, até o fim de maio todas as 645 cidades paulistas terão registros. “Não existe nenhuma região protegida. Nesse momento, a onda epidêmica está se distribuindo”, afirmou Dimas Covas, diretor do Instituto Butantã.

Sobrecarga

A taxa de ocupação de leitos de UTI para a covid-19 no interior e no litoral também tem crescido mais rápido. Na sexta-feira (8), havia 3.474 internados contaminados com o coronavírus nas unidades de terapia intensiva do Estado, com taxa de ocupação de 70,5%.

Segundo o presidente do Conselho dos Secretários Municipais da Saúde de São Paulo, Geraldo Reple, que integra o Centro de Contingência do Coronavírus do Estado, na semana passada foi atingida outra marca negativa no Estado: em um único dia foram internadas 1 mil pessoas com a covid-19, enquanto 600 tiveram alta.

“Se essa proporção continuar ou até crescer, que é o que parece que vai acontecer, nós estaremos em uma fase extremamente complicada”, afirmou. “Todas as cidades têm plano de contingenciamento, mas muitas não estão preparadas. Muitos municípios não têm leito de UTI. Provavelmente, muitos não têm nem leito de estabilização.”

*Com informações do Estadão Conteúdo