Avianca cancelará mais de 1.300 voos até dia 28

  • Por Jovem Pan
  • 20/04/2019 12h03 - Atualizado em 20/04/2019 17h56
Reuter/Sergio Moraes Guarulhos, em São Paulo, Brasília e Galeão, no Rio de Janeiro são os aeroportos mais prejudicados; empresa deve devolver 18 aeronaves

Mais de 1.300 voos, marcados entre 19 e 28 de abril, foram cancelados pela Avianca. A companhia atualizou a lista de rotas afetadas com a devolução de 18 aviões às empresas de arrendamento. Guarulhos, em São Paulo, Brasília e Galeão, no Rio de Janeiro, são os aeroportos mais prejudicados. Congonhas, na capital paulista, e Santos Dumont, no Rio, praticamente não têm cancelamentos.

De acordo com a lista atualizada nesta manhã, a Avianca cancelará 374 partidas e 372 pousos no aeroporto de Guarulhos até o próximo dia 28. O terminal paulista é o mais prejudicado no País. Em Brasília, foram suspensas 133 partidas e outras 133 chegadas. No Galeão, são 115 partidas e 117 pousos cancelados.

Outros aeroportos brasileiros também foram prejudicados com cancelamento de voos da Avianca: Aracaju (SE), Belém (PA), Campo Grande (MS), Chapecó (SC), Confins (MG), Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), Foz do Iguaçu (PR), Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Juazeiro do Norte (CE), Maceió (AL), Natal (RN), Navegantes (SC), Petrolina (PE), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Salvador (BA) e Vitória (ES).

No aeroporto central de São Paulo, Congonhas, só há previsão de três pousos e três decolagens canceladas até domingo da próxima semana. No Santos Dumond, no Rio, não há nenhuma previsão de cancelamento.

A ação ocorre em meio à crise financeira da Avianca que, após negociação com empresas de leasing, concordou em devolver amigavelmente mais 18 aviões diante da falta de pagamentos. As aeronaves serão entregues de forma escalonada a partir da próxima segunda-feira, 22. Desde o primeiro avião devolvido pela Avianca, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) determinou que a empresa adapte sua malha aérea com a proibição de vender bilhetes para as rotas afetadas.

Diante dessa crise da Avianca, os concorrentes travam uma grande disputa nos bastidores. Inicialmente, a Azul demonstrou interesse em comprar todos os ativos da aérea. Dias depois, Gol e Latam anunciaram acordo com os credores da Avianca para fatiamento e oferta em leilão de partes da aérea em dificuldade. Executivos da Azul acusam os dois concorrentes de agir contra o aumento da concorrência, especialmente em Congonhas, o aeroporto mais concorrido do Brasil.

*Com informações do Estadão Conteúdo