Baixo Augusta exalta a diversidade e reúne famosos na região central

  • Por Jovem Pan com Agência Brasil
  • 04/02/2018 17h48
GABRIELA BILó/ESTADÃO CONTEÚDOAtriz Alessandra Negrini desfila como madrinha do Acadêmicos do Baixo Augusta há seis anos

om o lema É Proibido Proibir, o Acadêmicos do Baixo Augusta arrastou uma multidão nas ruas centrais da capital paulista. O bloco, representante da região da cidade com intensa vida cultural, diversidade e boemia, deu voz aos protestos contra a censura, a desigualdade, o racismo, o machismo e a injustiça.

“Quanto mais tentarem nos proibir, mais haverá carnaval. Quanto mais nos disserem não, mais semearemos carnaval. Quanto mais nos calarem, mais gritaremos carnaval. Quanto mais nos desviarem, mais traremos carnaval. Quanto mais a ideia de ordem for sinônimo de censura e ditadura, mais celebraremos a linda desordem do Carnaval”, diz o manifesto distribuído pelos organizadores.

Uma das tradições do Baixo Augusta é a presença de famosos. Há seis anos como rainha do Bloco, a atriz Alessandra Negrini mais uma vez roubou a cena. Também marcaram presença Daniel Oliveira, Sophie Charlotte, Leandra Leal, Maria Ribeiro, Mariana Ximenes e Marina Person.

A concentração do bloco ocorreu no cruzamento da Avenida Paulista com a Rua da Consolação, via que os foliões deverão transcorrer toda a sua extensão até as 20 horas, horário programado pela prefeitura para o encerramento dos cortejos carnavalescos na cidade. No ano passado, o Acadêmicos do Baixo Augusta atraiu cerca de 500 mil pessoas.

Segundo a prefeitura, até 18 de fevereiro, 491 blocos animarão o carnaval na cidade de São Paulo. A expectativa é de que quatro milhões de pessoas participem da festa. Se a expectativa for concretizada, o carnaval ultrapassará a Parada Gay como maior evento da capital paulista. A programação completa está no site www.carnavalderua.prefeitura.sp.gov.br