Bendine renuncia e Parente assume Petrobras na quinta-feira

  • Por Estadão Conteúdo
  • 31/05/2016 09h51

O presidente da PetrobrasO presidente da Petrobras

O presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, entregou, na última segunda-feira (30), sua carta de renúncia ao cargo. O substituto, Pedro Parente, deve assumir o comando da estatal na próxima quinta-feira (2). Em carta aos funcionários, Bendine ressaltou os avanços que obteve à frente da empresa nos últimos 15 meses e classificou como uma “tempestade perfeita” o momento em que tomou posse. 

“Da ameaça de apagão financeiro, chegamos a um caixa superior a R$ 100 bilhões. Essa marca é resultado direto do corte nos investimentos e do enxugamento nos custos operacionais, que fizeram com que nossas despesas fossem menores que nossas receitas pela primeira vez desde 2008”. 

A “tempestade perfeita” descrita por Bendine combina um ambiente de baixo preço do petróleo, de desvalorização do real ante o dólar, que contribuiu para elevar o endividamento da petroleira, e de crise institucional decorrente da Operação Lava Jato. 

No balanço feito de sua gestão, Bendine acredita que, apesar do período conturbado, conseguiu dar os “primeiros passos para virar a página da maior crise do nosso mundo corporativo e voltar a fazer da Petrobrás um orgulho de todos os brasileiros”.

O executivo assumiu o comando da petrolífera em fevereiro do ano passado, quando substituiu Graça Foster, desgastada pelos desdobramentos da Lava Jato e pelo atraso na divulgação do balanço financeiro de 2014. 

Os ganhos financeiros e as mudanças na estrutura, com a criação de comitês que passaram a responder por decisões de investimento, foram os marcos da sua gestão. A criação dos comitês serviu para tirar das mãos de executivos, isoladamente, o poder sobre orçamentos bilionários. Em referência aos episódios de desvio de recursos investigados, Bendine afirma que trabalhou para que os empresários “não ajam como senhores, mas como servidores dos interesses da companhia”.

Ao fim do documento, ele agradece a toda diretoria, aos conselheiros de administração, empregados e colaboradores e se intitula um “petroleiro”. Em outro documento, direcionado ao presidente do conselho, Nelson Guedes, se coloca à disposição para esclarecimentos.