Blairo Maggi se engana ao dar declaração sobre liberação de um herbicida

  • Por Jovem Pan
  • 25/08/2018 09h12
DIvulgação/Lula Marques/AGPTBlairo Maggi disse que o secretário responsável o procurou para explicar que a liminar ainda está em despacho e pediu desculpas pela informação errada

O ministro da Agricultura pediu desculpas nesta sexta-feira por um declaração dada no dia anterior sobre a proibição do glifosato no Brasil.

Na quinta-feira, ele havia dito que um recurso contra a proibição da substância tinha sido cassado e, portanto, produtos com glifosato poderiam ser utilizados.

No entanto, essa liminar segue em análise no Tribunal Regional Federal da Primeira Região, em Brasília.

Blairo Maggi disse que o secretário responsável o procurou para explicar que a liminar ainda está em despacho e pediu desculpas pela informação errada.

Produtos que têm o glifosato como princípio ativo foram suspenso no início de Agosto e continuam proibidos até que a ANVISA conclua uma reavaliação toxicológica.

A pedido do Ministério da Agricultura, a Advocacia Geral da União recorreu da decisão de suspender o uso dos produtos.

O próprio ministro da agricultura – que também é produtor rural – argumentou que não haverá safra sem o uso do glifosato.

Essa substância está presente em diversos defensivos agrícolas e, de acordo com algumas entidades, é prejudicial à saúde dos agricultores e pode até causar câncer.

Nesta sexta-feira, um estudo de pesquisadores da Unicamp financiado por produtores de soja avaliou os danos de funcionários que lidam com a molécula.

O estudo minimizou os riscos de contaminação e afirmou que após três horas da exposição, a substância é eliminada do organismo.

A Anvisa tem até o dia 31 de dezembro para finalizar os exames toxicológicos do glifosato.

**As informações são da repórter Nanny Cox