Bolsonaro assina política de desenvolvimento para regiões com altas taxas de migração

  • Por Jovem Pan
  • 30/05/2019 16h35
Alan Santos/PRObjetivo é estabelecer uma política de crescimento e competitividade para as regiões da Amazônia, Nordeste e Centro-Oeste

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta quinta-feira (30) um decreto para estabelecer uma política de crescimento e competitividade para as regiões da Amazônia, Nordeste e Centro-Oeste. De acordo com o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, a ação institui a nova Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR) e busca trazer progresso para regiões com declínio populacional e altas taxas de migração.

Segundo ele, a política visa a produção, e não a assistência. O ministro ressaltou ainda a necessidade de coordenação com estados e municípios para que seja bem-sucedida.

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, explicou que a Política Nacional e Desenvolvimento Regional tem por objetivo atender a parcela da população brasileira que, de acordo com ele, mais precisa do governo.

“Continuamos trabalhando e formulando para que o Brasil profundo possa estar cada vez mais conectado, ter mais oportunidade, que as brasileiras e brasileiros possam estar sempre afinados, quer na comunicação, quer na formação, quer na reafirmação da cidadania brasileira”, afirmou Onyx.

O ministro da Secretaria de Governo, general Santos Cruz, disse que o plano caracteriza o compromisso formal do governo de mobilizar esforços para Amazônia, Nordeste e Centro-Oeste. “Determinação do presidente é de apresentar um plano para Amazônia e Nordeste, que tem anseio de desenvolvimento”, disse.

Visita ao Nordeste

Com o objetivo de se aproximar dos governadores e também da população do Nordeste, o presidente Jair Bolsonaro esteve na última sexta-feira (24) no Recife. Ele participou da reunião do Conselho Deliberativo da Sudene (Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste) e anunciou um acréscimo de R$ 4 bilhões ao Fundo Constitucional do Nordeste (FNE), um dos três fundos constitucionais para implementar a política de desenvolvimento em algumas áreas do país.

A primeira versão do texto da Política de Desenvolvimento Regional foi publicada há 12 anos. O presidente assinou hoje uma atualização deste. Segundo o Ministério do Desenvolvimento Regional, o PNDR tem a intenção de gerar emprego e renda nas próprias localidades e fortalecer centros urbanos de médio porte, para evitar a migração para as cidades grandes.

Com isso, será reestruturada a Câmara de Políticas de Integração Nacional e Desenvolvimento Regional, que passa a ser composta pelos ministros da Casa Civil, da Economia, do Desenvolvimento Regional, da Secretaria-Geral da Presidência, da Secretaria de Governo e pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional.

* Com informações da Agência Brasil