Bolsonaro pede ‘patriotismo’ ao Congresso para aprovar reforma da Previdência

  • Por Jovem Pan
  • 26/02/2019 16h22 - Atualizado em 26/02/2019 18h45
Alan Santos/PRPresidente da República, Jair Bolsonaro, posa para foto com o Presidente da República do Paraguai, Mário Abdo Benitez e os diretores-gerais Brasileiro e Paraguaios da Usina Hidrelétrica Itaipu Binacional

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira que espera contar com o “patriotismo” do Congresso Nacional para aprovar a reforma da Previdência. A declaração foi dada em entrevista coletiva após o evento de posse do novo diretor-geral brasileiro de Itaipu, em Foz do Iguaçu (PR).

“Não temos a menor dúvida que o Parlamento fará as correções que têm que ser feitas, afinal de contas nós não somos perfeitos e essas propostas têm que ser aperfeiçoadas. E mais do que tudo, contamos com o patriotismo e com o entendimento do parlamento para que nós possamos de fato ter uma reforma da Previdência. Do contrário, economicamente, o Brasil é um país fadado ao insucesso”, afirmou.

A equipe econômica de Bolsonaro apresentou no dia 20 de fevereiro a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) ao Congresso Nacional. Principal aposta para equilibrar as contas públicas, o texto foi levado pessoalmente pelo presidente e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, à Câmara dos Deputados.

A expectativa da área econômica é que, se implementada ainda neste ano, a reformulação do sistema previdenciário brasileiro causaria economia de R$ 1 trilhão no período de dez anos — nos quatro primeiros anos, o governo deixará de gastar R$ 189 bilhões.

O texto estipula idade mínima de aposentadoria de 65 anos para homens e 62 para mulheres, com período de 12 anos de transição. Servidores públicos e trabalhadores incluídos no Instituto Nacional do Serviço Social (INSS) deverão cumprir ao menos 20 anos de contribuição para conseguir se aposentar.