‘Devo vetar o ‘fundão eleitoral’ e passar por impeachment ou sancionar?’, questiona Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 02/01/2020 17h58
Alan Santos/PRO presidente Jair Bolsonaro deve sancionar o fundão eleitoral

O presidente Jair Bolsonaro foi ao Facebook se explicar para apoiadores a respeito do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), o “fundão eleitoral“, cuja aprovação foi sinalizada pelo capitão reformado na manhã desta quinta-feira (2).

No post, Bolsonaro explica, usando o artigo 85 da Constituição Federal, que um eventual veto ao fundão poderia fazê-lo incorrer em crime de responsabilidade, o que potencialmente acarretaria em um processo de impedimento.

“Pelo exposto você acha que devo vetar o FEFEC, incorrer em crime de responsabilidade (quase certo processo de impeachment) ou sancionar?”, perguntou o presidente da República aos seus seguidores no fim da publicação.

– Fundo Especial de Financiamento de Campanha / FEFC ("Fundão").- O FEFC foi criado pela Lei 13.487 de 06/out/2017….

Posted by Jair Messias Bolsonaro on Thursday, January 2, 2020

A manifestação de Bolsonaro acontece depois de muitas críticas de bolsonaristas à sinalização de que o fundão deve ser sancionado. Nas redes sociais, celebridades que já foram apoiadoras do presidente, como o apresentador de TV Danilo Gentili, chamaram o presidente de “mentiroso”.

Mesmo nos comentários da explicação de Bolsonaro no Facebook, apoiadores do presidente continuaram pressionando pelo veto. “É para vetar o Fundão, sim. Apoiamos você para ir até as últimas consequências. Não fique no meio do caminho. Vai ficar para sempre refém do Congresso?”, escreveu o usuário Eduardo Hwang, autor do comentário mais curtido em resposta ao post de Bolsonaro.

Outros apoiadores, no entanto, concordaram com a sanção ao fundo eleitoral, mas sugeriram ao presidente dar mais publicidade às explicações. “O presidente deveria ir à TV em horário nobre explicar tal situação. Assim seus eleitores e os outros entenderiam de uma vez por todas que nem sempre as leis são criadas para benefício do povo”, escreveu outro usuário.

*Com Estadão Conteúdo