Bolsonaro ‘já esclareceu a parte que lhe cabe’, diz Moro sobre investigação de ex-assessor

  • Por Jovem Pan
  • 10/12/2018 14h35 - Atualizado em 10/12/2018 14h36
EFE/Hedeson Alves"O restante dos fatos deve ser esclarecido pelas demais pessoas envolvidas", ressaltou o futuro ministro

O futuro ministro da Justiça Sergio Moro se pronunciou nesta segunda-feira (10) pela primeira vez sobre o relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que apontou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão em uma conta de Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). De acordo com o ex-juiz federal, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) já fez os esclarecimentos que deveria.

“Sobre o relatório do Coaf sobre movimentação financeira atípica do sr. Queiroz, o sr. presidente eleito já esclareceu a parte que lhe cabe no episódio. O restante dos fatos deve ser esclarecido pelas demais pessoas envolvidas, especialmente o ex-assessor, ou por apuração”, afirmou.

Moro disse ainda que não tem o papel de comentar ou interferir em casos específicos. “O ministro da Justiça não é uma pessoa para ficar interferindo em casos concretos (…). Vou colocar uma coisa bem simples. Fui nomeado para ministro da Justiça. Não cabe a mim dar explicações sobre isso. Eu acho que o que existia no passado de um ministro da Justiça opinar sobre casos concretos é inapropriado”, completou.

Sobre o caso

Na última sexta-feira (7), Bolsonaro explicou a origem dos cheques que, segundo o relatório do Coaf, foram pagos pelo ex-assessor Fabrício José de Queiroz à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Em entrevista ao site O Antagonista, disse que o dinheiro é referente à quitação de uma dívida pessoal.

“Emprestei dinheiro para ele em outras oportunidades. Nessa última, ele estava com problema financeiro e uma dívida que tinha comigo se acumulou. Não foram R$ 24 mil, foram R$ 40 mil. Se o Coaf quiser retroagir um pouquinho mais, vai chegar nos R$ 40 mil”, disse.

Bolsonaro relatou que ele e Queiroz são amigos desde 1984, quando se conheceram na Brigada Paraquedista. Depois de deixar a carreira militar, tornou-se assessor do filho Flávio.

Ainda segundo Bolsonaro, o colega entregou a Michelle dez cheques de R$ 4 mil. “Eu podia ter botado na minha conta. Foi para a conta da minha esposa, porque eu não tenho tempo de sair. Essa é a história, nada além disso. Não quero esconder nada, não é nossa intenção.”

Por fim, o presidente eleito disse que “se surpreendeu” com a identificação do Coaf de uma movimentação de R$ 1,2 milhão na conta de Queiroz. Por conta disso, optou por não manter nenhum tipo de contato até que ele se explique ao Ministério Público.

Flávio, por sua vez, preferiu se manifestar através das redes sociais. No Twitter, alegou que Queiroz trabalhou com ele “por mais de 10 anos” e “sempre foi de sua confiança”.

*Com informações do Estadão Conteúdo