Bolsonaro pede que argentinos tenham ‘responsabilidade’ nas eleições presidenciais do país

O presidente brasileiro viajou à Argentina nesta quinta-feira (6)

  • Por Jovem Pan
  • 06/06/2019 13h19 - Atualizado em 06/06/2019 13h41
Agência EFEO presidente Jair Bolsonaro Bolsonaro viajou pela primeira vez, desde que assumiu a presidência da República, à Argentina nesta quinta-feira (6)

Em sua primeira viagem à Argentina como presidente, Jair Bolsonaro afirmou que o povo argentino deve ter “muita responsabilidade, muita razão e menos emoção”, nas eleições presidenciais marcadas para outubro no país. A chapa composta pela ex-presidente Cristina Kirchner, candidata a vice, está à frente da de Mauricio Macri nas pesquisas de intenção de votos.

“Conclamo o povo argentino, que Deus abençoe a todos porque terão pela frente, em outubro, eleições e todos têm que ter, assim como no Brasil grande parte teve, muita responsabilidade, muita razão e menos emoção para decidir o futuro desse pais maravilhoso”, disse Bolsonaro. “Queremos continuar parceiros na economia e no objetivo maior de qualquer homem e qualquer mulher, que é a liberdade, valor este que não podemos abrir mão em nenhuma hipótese”, continuou o brasileiro.

Em maio, ele fez um apelo aos eleitores argentinos, durante uma live no Facebook, para que não reconduzam Cristina Kirchner ao cargo. Ela ficou no poder entre 2001 e 2015. “Ninguém aqui vai se envolver em questões fora do país, mas eu, como cidadão, tenho uma preocupação de que volte o governo anterior do Mauricio Macri. A presidente anterior era ligada à [ex-presidente] Dilma [Rousseff], ao [ex-presidente] Lula, à Venezuela e a Cuba. Se isso voltar, com toda a certeza, a Argentina vai entrar em uma situação semelhante à da Venezuela”, declarou.

Embora não tenha falado de forma explícita, nesta quinta, que a Argentina poderá se tornar uma Venezuela, Bolsonaro mencionou o país comandado pelo ditador Nicolás Maduro. “A Venezuela, toda a América do Sul está preocupada para não tenhamos uma nova Venezuela” no continente, disse o presidente brasileiro.

Macri também mencionou o país vizinho. Ele disse que os dois conversamos sobre esse “compromisso absoluto que temos, tanto a Argentina, quanto o Brasil, na defesa dos Direitos Humanos e da democracia”. “Falamos também sobre o duro momento que vivem nossos irmãos venezuelanos. Ratificamos nosso compromisso e solidariedade em continuarmos fazendo tudo o que for possível para restabelecer a democracia na Venezuela”, disse Macri.

Bolsonaro chegou à Argentina na manhã desta quinta-feira. Essa foi a primeira viagem dele ao país vizinho como chefe de Estado, mas não o primeiro encontro entre os dois líderes. Macri veio a Brasília em janeiro, quando discutiram formas de fortalecer o Mercosul.

Acordos

Em coletiva de imprensa após uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro, Mauricio Macri afirmou que os dois países estão “muito perto” de fechar um acordo com a União Europeia e com outros países do mundo, como o Canadá e a Coreia do Sul. “São grandes oportunidades no avanço da integração global”, afirmou.

Ele disse acreditar na importância do desenvolvimento de pequenas empresas e dos empreendedores, que são muitos tanto na Argentina, quanto no Brasil. “Melhorar a logística, a interconexão físcia entre países, para simplificar movimentos nas fronteiras e agilizar o comércio e o turismo, assim como o intercâmbio sociocultural.”

Já o presidente Jair Bolsonaro disse que agora faz parte de sua agenda governamental a construção de duas possíveis hidrelétricas na divisa do Rio Grande do Sul com a Argentina. “Assim sendo, essa passagem por aqui, como já era esperado, está sendo excepcional”, finalizou ele.