Bolsonaro quer campo de refugiados para venezuelanos: ‘Não são mercadoria para serem devolvidos’

  • Por Jovem Pan
  • 24/11/2018 15h54 - Atualizado em 24/11/2018 17h11
Fábio Motta/Estadão ConteúdoBolsonaro participou do aniversário da brigada em que atuou enquanto paraquedista do Exército

O presidente eleito Jair Bolsonaro disse neste sábado (24) que venezuelanos “não são mercadoria para serem devolvidos” e defendeu um controle mais rígido da entrada de refugiados no Brasil. Durante evento do Exército, ele declarou que o País não pode deixar os migrantes à própria sorte e sugeriu a criação de um “campo de refugiados para atender aos que fogem da ditadura”.

O futuro governante contou que esteve em Roraima por duas vezes nos últimos quatro anos e não acredita que o estado vai conseguir resolver a situação sozinho. Segundo Bolsonaro, a gestão atual não se antecipou ao problema. “Estão fugindo da fome e da ditadura, [mas] tem gente também que nós não queremos no Brasil.”

‘Devolução’

Correligionário de Bolsonaro, o governador eleito de Roraima, Antonio Denarium, cogitou o fechamento da fronteira com o país vizinho e tem defendido a criação de um programa de “devolução” de venezuelanos.

O presidente eleito discorda do colega de partido. “Eles não são mercadoria nem objeto para serem devolvidos”, comentou, ao declarar que o Brasil deveria ter apoiado medidas como a exclusão do país do Mercosul. “A Venezuela não pode ser tratada como país democrático.”

*Com informações da Agência Brasil