Bombeiros fazem rescaldo na ponte do Jaguaré, na Marginal Pinheiros

Um incêndio atingiu a parte de baixo da estrutura, no sentido de Interlagos, nesta sexta-feira (21)

  • Por Jovem Pan
  • 21/06/2019 11h27
Estadão ConteúdoIncêndio atinge Ponte do Jaguaré na Zona Oeste de São Paulo, e deixa pelo menos 30 famílias desabrigadas

O Corpo de Bombeiros faz o rescaldo na ponte do Jaguaré, na Marginal Pinheiros, em São Paulo. Um incêndio atingiu a parte de baixo da estrutura, no sentido de Interlagos, nesta sexta-feira (21).

Segundo o capitão da corporação Marcos Nogueira, 29 viaturas com 75 bombeiros atuaram no combate ao incêndio. O fogo estava controlado às 8 horas.

De acordo com Nogueira, havia 40 moradias no local e cerca de 100 pessoas moravam em barracos. Não houve vítimas. “Quando chegamos, havia pessoas tentando tirar pertences, mas não tinha ninguém no ponto principal do incêndio”, disse o capitão dos Bombeiros.

Possíveis danos estruturais na ponte serão avaliados pela Defesa Civil, que deve iniciar a análise após o fim do trabalho dos bombeiros. As causas do incêndio serão apuradas.

Desabrigados

Famílias que moravam no local estão reunidas no entorno e equipes da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (Smads) fizeram o cadastro das pessoas afetadas pelo incêndio, segundo os desabrigados. Há muitas crianças, idosos e gestantes entre os afetados pelo incêndio.

A agricultora Micaele Apolinário, de 25 anos, estava dormindo quando ouviu os gritos dos vizinhos. Ela, que morava no local com o filho de 5 anos e o marido, caiu durante a fuga e machucou as pernas.

“Estava com o meu menino no colo e caí. Eu me levantei sozinha e continuei correndo. Meu filho não se machucou.”

Ela conseguiu salvar apenas alguns documentos. “Só consegui pegar os meus e os do meu marido. Os documentos do meu filho ficaram lá.”

Com a filha de 3 meses no colo, o borracheiro Maurício Feli Cavalcante, de 41 anos, foi avisado pelo primo quando as chamas começaram a se alastrar. A mulher dele, a dona de casa Diana Cristina de Souza, de 30 anos, saiu com ele, mas voltou para buscar pertences do bebê e documentos.

“Peguei a bolsa da minha filha, mas perdemos tudo. Só sinto por não ter conseguido trazer as fraldas dela. Tinha uns dez pacotes em casa.”

O chamado foi registrado às 6h. Além do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a Polícia Militar (PM) também auxiliaram na ocorrência. A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e a concessionária de energia Enel foram acionadas.

*Com informações do Estadão Conteúdo