CAE do Senado aprova indicados ao Cade e à CVM

  • Por Estadão Conteúdo
  • 13/06/2017 15h07 - Atualizado em 29/06/2017 00h15
Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária. Foto: Roque de Sá/Agência SenadoPlenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária

Depois de uma sabatina tranquila e com poucos representantes da oposição, a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou a indicação de nomes para presidente e conselheiro do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e para a Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Alexandre Barreto foi aprovado para a presidência do Cade por 16 votos a 4 – foi o que recebeu mais votos contrários. Maurício Maia foi confirmado por 17 votos favoráveis, dois contrários e um branco. O indicado à diretoria da CVM, Gustavo Gonzales, teve a mesma votação de Maia – 17 votos favoráveis, dois contrários e um branco.

Os nomes devem ser analisados ainda nesta terça-feira, 13, pelo plenário do Senado e então seguir para nomeação do presidente Michel Temer. 

JBS

As denúncias envolvendo a JBS e a concentração no mercado de frigoríficos, além da atuação da empresa no mercado de capitais foram os principais assuntos das perguntas de senadores durante a sabatina. 

Perguntas sobre a atuação do Cade e da CVM em relação à JBS foram feitas por senadores como Ronaldo Caiado (DEM/GO), Ataídes Oliveira (PSDB/TO) e Agripino Maia (DEM/RN). Um dos poucos representantes da oposição na sabatina, o senador Randolfe Rodrigues (Rede/AP) também citou denúncias de que a JBS teria sido favorecida pelo Cade a mando do presidente Michel Temer. O conselho nega qualquer favorecimento.

Os senadores Oliveira, Maia e Waldemir Moka (PMDB/MS) também questionaram o indicado à CVM sobre a venda de dólares e de ações pela JBS antes da delação de executivos da empresa vir à tona.

Os indicados ao Cade também foram perguntados sobre a concentração no mercado bancário e critérios para definição das multas aplicadas pelo órgão, entre outros temas.