Candidatos ao comando da Câmara evitam opinar sobre caso de Cunha

  • Por Estadão Cunteúdo
  • 11/07/2016 09h46
Bruno Franchini / Câmara dos Deputados Sessão solene em Comemoração ao Dia do Bombeiro Militar no plenário da Câmara

Com receio de criar clima de animosidade com lideranças partidárias aliadas de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a maioria dos candidatos ao comando da Câmara evita opinar sobre o processo de perda de mandato do deputado afastado.

O discurso entre os postulantes é de que seguirão o regimento interno. Ao manter “posicionamento institucional”, os políticos minimizam atritos com o chamado Centrão, grupo comandado por PP, PR, PSD e PTB, próximo a Cunha, e que detém força para ditar o ritmo das atividades da Casa.

Nome mais cotado para suceder o peemedebista, o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), está entre os que não se posicionam, “são coisas independentes (processo de Cunha e presidência da Câmara). Esse assunto tem de tramitar naturalmente, seguindo o regimento. Não vou nem acelerar, nem retardar.” 

Rosso tem o apoio de Cunha na disputa prevista para esta semana. Outros postulantes, como Rodrigo Maia (DEM-RJ), Beto Mansur (PRB-SP), Júlio Delgado (PSB-MG) e Hugo Legal (PSB-RJ), têm discursos semelhantes.

Para adversários do parlamentar, a defesa dos candidatos de que seguirão o regimento não impede que acatem manobras do político. Isso porque há brechas nas normas para investidas de Cunha, caso consiga respaldo do novo presidente. Uma delas é a possibilidade de qualquer deputado apresentar, em plenário, questão de ordem inquirindo as ações adotadas no julgamento do processo de cassação, atualmente na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Segundo servidores da Câmara, esse questionamento, se recebido pelo novo presidente, pode paralisar o processo, enquanto não for avaliado pela CCJ e pelo plenário. Assim, o caso pode se estender por vários meses, “o que não pode é eleger um presidente que, numa canetada, volte todo o processo”, disse o deputado Fausto Pinato (PP-SP), também na disputa pelo cargo.