Cardozo diz que sindicância que apurará sua conduta é tentativa de intimidação

  • Por Estadão Conteúdo
  • 21/05/2016 18h41
Brasília - O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, concede coletiva para esclarecer os principais pontos da ação no STF buscando a anulação do processo de impeachment contra a presidenta Dilma (Antonio Cruz/Agência Brasil)José Eduardo Cardozo - AGBR

O ex-ministro da Justiça e ex- Advogado Geral da União, José Eduardo Cardozo, rebateu nesse sábado, 21, a medida do atual titular da AGU, Fábio Medina Osório, que decidiu na sexta-feira, 20, abrir uma sindicância para apurar a conduta do antecessor.

“Trata-se de evidente tentativa de intimidação do livre exercício da atuação de um advogado de defesa da presidenta da República. Viola claramente o estatuto da advocacia”, disse Cardozo por meio de nota.

O ex-ministro, que continuou de forma voluntária à frente da defesa de Dilma após o afastamento dela do cargo por 180 dias, disse ainda que, “sem prejuízo a outras medidas jurídicas”, representará contra Medina no Conselho de Ética por uma “clara tentativa de intimidar o exercício da defesa da presidente”.

O argumento de Osório é que Cardozo não poderia ter defendido no Congresso Nacional a tese de que o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff é um “golpe de Estado”.

Segundo o site da revista Veja, o novo Advogado Geral da União classificou como “criminosa” a defesa de Cardozo.

Na mesma nota divulgada hoje Cardozo lembrou que, em entrevista concedida ao jornal Diário do Grande ABC em maio do ano passado, Medina se manifestou contra o impedimento de Dilma. “Causa espécie ainda que a acusação a mim dirigida venha de pessoa que anteriormente defendeu publicamente o mesmo ponto de vista jurídico. Em entrevista ao Diário Grande ABC Fábio Medina afirmou textualmente que o impeachment da presidente Dilma, na medida que contraria a Constituição, deveria ser qualificado como um golpe.”

Além da nota, Cardozo concedeu uma entrevista coletiva em São Paulo para rebater Medina.