Carro é queimado durante manifestações nesta sexta-feira; assista

  • Por Jovem Pan
  • 14/06/2019 20h46
ReproduçãoDez manifestantes foram detidos e encaminhados para o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic)

Um carro foi queimado nesta sexta-feira (14) durante os protestos contra as medidas do governo Bolsonaro, como a reforma da Previdência e o contingenciamento de verbas para a educação, no entorno da Universidade de São Paulo (USP), no Butantã. Dez manifestantes foram detidos e encaminhados para o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

Segundo o delegado da Polícia Militar, Fabiano Barbeiro, existem duas hipóteses: uma de que o carro teria furado o bloqueio e sido queimado em represália, e outra que os próprios manifestantes teriam colocado propositalmente o carro no local para atear fogo. Ninguém apareceu para dar queixa ou saber qualquer informação sobre o veículo.

De qualquer forma, de acordo com Barbeiro, o ato é criminoso. Os jovens serão autuados por associação criminosa, dano ao patrimônio e incêndio. Até o momento foram feitas as oitivas dos policiais. Os detidos devem ser ouvidos ainda nesta sexta e a audiência de custódia será nesta sábado (15).

O estudante da USP, Luciano Matias, que estava na manifestação, defendeu os colegas que foram detidos e afirmou que a prisão foi arbitrária. Políticos também estiveram presentes no Deic para acompanhar o caso, como o vereador Eduardo Suplicy (PT) e a deputada federal Sâmia Bonfim (PSOL). A parlamentar disse que os detidos foram bem tratados na delegacia e declarou que espera uma investigação justa.

Ao menos duas pessoas foram encaminhadas ao Hospital Universitário por terem sido atingidas por estilhaços de bomba de efeito moral. Há nove homens e uma mulher na carceragem do Deic, em espaços separados. Oito são estudantes e dois funcionários de instituições de ensino.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) disse que, ao todo, 14 pessoas foram detidas no estado de São Paulo durante as manifestações: dez na capital, após evento na avenida Francisco Morato, e quatro em Sorocaba, após depredação de um micro-ônibus.

Assista:

Protestos

Os manifestantes fecharam os dois sentidos da Avenida Paulista, região central de São Paulo, no fim da tarde desta sexta-feira (14). O número de participantes do ato não foi divulgado.

Antes, o dia já havia sido marcado por uma greve convocada por movimentos sociais e centrais sindicais. Na capital paulista, o metrô funcionou apenas parcialmente. O governador João Doria havia dito que a expectativa era que as linhas voltassem a funcionar integralmente às 14h, o que não aconteceu. Segundo ele, durante a manhã, somente 16% dos usuários foram atendidos.