CNJ aprova regras para uso de redes sociais por juízes

Com a resolução do órgão, os magistrados estão proibidos de manifestar opinião sobre processos pendentes de julgamento, entre outras medidas

  • Por Jovem Pan
  • 17/12/2019 16h00
O presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do STF, Dias Toffoli

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta terça-feira (17) aprovar uma resolução para estabelecer regras para a utilização das redes sociais por magistrados de todo o país.

Com a resolução, juízes que tem páginas nas redes sociais deverão se adequar às normas em até seis meses. Pela resolução, os magistrados estão proibidos de manifestar opinião sobre processo pendente de julgamento e fazer “juízos depreciativos” sobre despachos, votos ou sentenças.

Os juízes também não podem apoiar ou criticar políticos, emitir opinião ou compartilhar discursos discriminatório “especialmente os que revelem racismo, LGBT-fobia, misoginia, antissemitismo, intolerância religiosa ou ideológica”.

As punições para o descumprimento das regras estão previstas na Lei Orgânica da Magistratura Nacional (LOMAN), no Código de Ética da Magistratura Nacional e nos Princípios de Bangalore de Conduta Judicial. Os juízes podem ser afastados do cargo, receberem censura funcional ou aposentadoria compulsória.

Além das proibições, a norma também fez recomendações aos juízes, como abster-se de compartilhar conteúdo e propagar fake news, além de evitar autopromoção ou superexposição.

De acordo o CNJ, o objetivo é compatibilizar a liberdade de expressão com os deveres funcionais dos magistrados.

*Com informações da Agência Brasil