Com apenas um concorrente, Linha 15-Prata do monotrilho de São Paulo é concedida por R$ 160 milhões

  • Por Jovem Pan
  • 11/03/2019 18h13
ROBSON FERNANDJES/ESTADÃO CONTEÚDOPrimeiras estações da Linha 15-Prata foram inauguradas em 2014

O leilão de concessão da Linha 15-Prata do monotrilho de São Paulo foi vencido nesta segunda-feira (11) pelo único concorrente inscritos no certame: o consórcio Viamobilidade, formado pela CCR e pela Ruasinvest Participações. Os sócios ofereceram valor de outorga fixa de R$ 160 milhões. O lance mínimo do edital era de R$ 159 milhões.

Desde sexta-feira (8), já circulava no mercado a informação de que apenas a CCR apresentaria proposta. O Sindicato dos Metroviários de São Paulo chegou a indicar que o grupo seria o vencedor do leilão. Conforme a entidade, há várias irregularidades no processo, com vícios que comprometeriam a concorrência do monotrilho.

Os metroviários destacaram, em particular, a exigência de experiência mínima de 12 meses na operação de monotrilhos ou veículos leves sobre trilhos (os VLTs) com demanda superior a 200 mil passageiros por dia, em média, o que favoreceria a CCR. A Linha 15-Prata funciona desde agosto de 2014 entre duas estações, Vila Prudente e Oratório.

O trecho inicial tinha 2,9 quilômetros, incluindo o pátrio de manobra. Em abril de 2018 foram entregues, para operação assistida, outras quatro estações, com cerca de 5 quilômetros: São Lucas, Camilo Haddad, Vila Tolstói e Vila União.

De acordo com o site do Metrô São Paulo, outras quatro estações – Jardim Planalto, Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus – estão em fase de finalização de acabamentos e montagem dos sistemas, tais como alimentação elétrica e telecomunicações.

Segundo relatório de empreendimentos de janeiro, a previsão é de que as estações sejam entregues entre outubro e dezembro deste ano. Trecho adicional até a Estação Jardim Colonial (antiga Iguatemi) está previsto para ser construído até o fim de 2021.

*Com informações do Estadão Conteúdo