Comissão da Câmara aprova convite para Lula explicar “discursos de ódio”

  • Por Agência Estado
  • 12/11/2015 08h30

O ex-presidente Lula participou de ato em defesa da democracia com o slogan “Democracia sempre maisLula

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado aprovou nesta quarta-feira, 11, um requerimento convidando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para esclarecer discursos recentes onde o petista teria “incitado” a violência.

De autoria do deputado Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), filho do polêmico Jair Bolsonaro (PP-RJ), o requerimento pede a realização de audiência pública para discutir as consequências de “discursos de ódio” proferidos por líderes políticos e de movimentos sociais que fomentam a violência. O convite a Lula também se estende ao presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, e a Mauro Luís Iasi, do PCB.

Bolsonaro alega na justificativa do requerimento que, no dia 24 de fevereiro deste ano, o ex-presidente estimulou a violência em um ato em defesa da Petrobras, no Rio de Janeiro. “Eu quero paz e democracia, mas se eles não querem, nós sabemos brigar também. Sobretudo quando João Pedro Stédile colocar o exército dele do nosso lado”, disse Lula.

O parlamentar lembra a participação do presidente da CUT em um evento no Palácio do Planalto em 13 de agosto deste ano em que, dirigindo-se a integrantes de movimentos sociais, Freitas falou em pegar armas. “Somos defensores da unidade nacional, da construção de um projeto de desenvolvimento para todos e para todas. E isso implica, neste momento, ir para as ruas entrincheirados, com armas nas mãos, se tentarem derrubar a presidenta. Nós seremos o exército que vai enfrentar essa burguesia na rua”.

Já Mauro Iasi é citado por um vídeo onde confronta os “conservadores de direita”. “Nós sabemos que você é nosso inimigo, mas considerando que você, como afirma, é uma boa pessoa, nós estamos dispostos a oferecer a você o seguinte: um bom paredão, onde vamos colocá-lo na frente de uma boa espingarda, com uma boa bala e vamos oferecer depois de uma boa pá, uma boa cova, né? Com a direita e o conservadorismo nenhum diálogo. Luta!”, registrou o deputado no requerimento.

Eduardo Bolsonaro chama as manifestações públicas dos líderes políticos de “irresponsáveis” e conclui que o objetivo das declarações era “desestabilizar o Estado Democrático de Direito” “A participação dessas personalidades nas discussões mostra-se de fundamental importância, para que possam esclarecer à sociedade brasileira, no cenário adequado, quais seriam suas reais intenções com os discursos proferidos”, justifica.