Como líder, quero harmonizar votações entre Câmara e Senado, diz Jucá

  • Por Estadão Conteúdo
  • 17/11/2016 13h12
Brasília - Plenário do Congresso aprecia o projeto do governo que modifica a meta fiscal (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)Romero Jucá - Agência Senado

O senador Romero Jucá (PMDB-RR) assumiu oficialmente nessa quinta-feira (17) a liderança do governo no Congresso. Além de priorizar a pauta econômica, o senador afirmou que pretende fazer com que a Câmara e o Senado trabalhem em sincronia.

“É importante harmonizar as votações entre a Câmara e Senado porque muitas matérias que caminham em uma Casa e acabam paradas em outra. No próximo ano, devemos montar um calendário para que as duas Casas trabalhem em conjunto”, afirmou.

O senador deu como exemplo a necessidade de votar uma regulamentação de tramitação de medidas provisórias. As propostas tem prazo de até 120 dias para serem avaliadas pelo Congresso, mas a maior parte do tempo é gasto pela Câmara e os projetos chegam ao Senado à beira de perder a validade. “O Senado tem sido condescendente, mas é preciso mudar isso”.

Investigações 

O peemedebista também minimizou o fato de assumir a liderança sendo investigado na Justiça. Braço direito de Michel Temer, Jucá assumiu o Ministério do Planejamento em maio, mas deixou a pasta em duas semanas após a revelação de gravações em que ele incitava o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff para atrapalhar a operação Lava Jato. 

“Não tenho nenhuma investigação. Eu tenho cobrado do Ministério Público a investigação e o esclarecimento. Estou no pleno exercício do meu mandato e tenho todas as condições de exercer a liderança”, alegou.