Condenado por morte de Eliza Samúdio, Macarrão cumprirá resto da pena em regime domiciliar

  • Por Jovem Pan
  • 02/03/2018 11h50
Lucas Prates/Estadão ConteúdoCondenado a 15 anos de prisão, Macarrão teve 425 dias de pena perdoados após trabalhar 1.134 dias e concluir 570 horas de estudo. Durante o período em que esteve preso casou-se e tem três filhos

A Justiça de Minas Gerais concedeu a Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, de 32 anos, o direito de cumprir o restante da pena em regime domiciliar. Ele foi condenado pelo assassinato da modelo Eliza Samúdio, ex-amante do goleiro Bruno.

O alvará de soltura foi expedido nesta quinta-feira (01) e a expectativa é de que ele deixe a Penitenciária Pio Canedo, em Pará de Minas, ainda nesta sexta-feira (02). Até o momento ele não foi liberado pela direção da Penitenciária.

Condenado a 15 anos de prisão, Macarrão teve 425 dias de pena perdoados após trabalhar 1.134 dias e concluir 570 horas de estudo. Durante o período em que esteve preso casou-se e tem três filhos.

Macarrão estava preso desde 2010 e deveria cumprir 15 anos em regime fechado, a contar da data de condenação, em novembro de 2012. Em maio de 2016, ele passou ao regime semiaberto. Obteve benefícios de saída temporária e trabalho externo, e foi transferido de presídio.

Após cumprir o semiaberto por quase dois anos, Macarrão cumprirá o restante da pena em regime domiciliar, já que em Pará de Minas não há albergue para que sentenciados cumpram regime aberto.

Macarrão terá de ficar em casa das 19h até 06h do dia seguinte, fins de semana, feriados e dias santos. Todo mês deve apresentar-se a um juiz. Além disso, deverá comprovar em 30 dias que arranjou um emprego. Ele também não poderá consumir bebidas alcoólicas, portar armas e nem frequentar locais de “moral duvidosa”.