Conselho de Ética arquiva processo contra líder do PSOL

  • Por Estadão Conteúdo
  • 24/04/2018 17h51
Reprodução/FacebookValente era acusado de calúnia, injúria e difamação por ter feito um discurso no plenário onde insinuou que parlamentares receberam dinheiro público para salvar o mandato de Temer

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta terça-feira (24) o relatório do deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) e arquivou o processo por quebra de decoro parlamentar contra o líder do PSOL, Ivan Valente (SP). Dez parlamentares votaram contra a continuidade da representação do PR.

Valente era acusado de calúnia, injúria e difamação por ter feito um discurso no plenário onde insinuou que parlamentares receberam dinheiro público para salvar o mandato de Temer duas vezes.

Na sessão, os conselheiros também conheceram o voto do deputado Júlio Delgado (PSB-MG), relator do caso Jean Wyllys (PSOL-RJ), mas um pedido de vista impediu a votação do parecer que pede o arquivamento da representação.

Wyllys é acusado pelo PR de apologia ao uso de drogas e “perversão sexual” por ter declarado em entrevista que se o mundo acabasse, aproveitaria para consumir todas as drogas ilícitas e fazer sexo com todos que desejasse.