Constantino afirma que prisão preventiva do ex-ministro Milton Ribeiro ‘parece severa e grosseira’

Comentaristas do programa 3 em 1 repercutiram a prisão do ex-ministro da Educação, um dos 13 alvos de uma investigação que apura prática de corrupção e tráfico de influência na pasta

  • Por Jovem Pan
  • 22/06/2022 17h58 - Atualizado em 23/06/2022 09h28
Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - 23/09/2020 O ex-ministro Milton Ribeiro em sua antiga sala no ministério Ex-ministro Milton Ribeiro foi preso, na manhã desta quarta-feira, 22, em Santos

A Polícia Federal (PF) prendeu, na manhã desta quarta-feira, 22, o ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, que é um dos 13 alvos de uma investigação de prática de tráfico de influência e corrupção para liberação de recursos públicos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). De acordo com a corporação, documentos, depoimentos e o relatório final da investigação preliminar sumária da Controladoria-Geral da União apontam que foram identificados possíveis indícios de prática criminosa, para liberação das verbas públicas na pasta. Milton Ribeiro é investigado pela PF desde março por suposto esquema de favorecimento e liberação de verbas a pastores dentro do Ministério da Educação. Em entrevista à rádio Itatiaia, de Minas Gerais, o presidente Jair Bolsonaro (PL) comentou sobre a prisão do ex-ministro. “Que ele responda pelos atos dele”, disse.  O assunto foi tema no programa 3 em 1, da Jovem Pan, desta quarta-feira, 22.

Para o comentarista Rodrigo Constantino, até o momento não existem novidades que justifiquem a prisão preventiva de Milton Ribeiro. Ele ainda criticou a especulação de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o Ministério da Educação. “É curioso como as coisas mudam rápido, principalmente para a esquerda. Até ontem, era um absurdo falar em CPI da Petrobras. Do nada, a possível CPI do Ministério da Educação passa a ser urgente. Não tenho nada contra. Os históricos das CPIs não são os melhores. São voltadas para palanques eleitoreiros. Mas, às vezes, tem que tomar cuidado com aquilo que se deseja. Se for investigar e pegar pela capivara coisas estranhas no ministério, olha que vai vir muita coisa da era PT. Não sabemos de nenhuma novidade que justifique uma prisão preventiva, que parece severa e grosseira, devido aqueles áudios vazados. Somos sempre a favor de investigação. Se eventualmente ficar comprovado algum tipo de corrupção, que sejam todos punidos”, comentou.

Confira a íntegra do programa 3 em 1, da Jovem Pan, desta quarta-feira, 22: