CPI do BNDES irá ouvir Joaquim Levy na próxima semana

  • Por Jovem Pan
  • 17/06/2019 16h04 - Atualizado em 17/06/2019 16h05
Geraldo Magela/Agência Senado Geraldo Magela/Agência Senado Depoimento será no dia 26 de junho, às 14h30min

O ex-presidente do BNDES, Joaquim Levy, que pediu demissão no último final de semana, será ouvido pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da instituição no dia 26 de junho, às 14h30min.

O colegiado já havia aprovado um requerimento do deputado Elias Vaz (PSB-GO) no dia 9 de abril, para que o economista fosse ouvido pela CPI. Neste domingo (16), o presidente da CPI, deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP), afirmou que iria decidir nesta segunda-feira (17), a data para convocá-lo.

A Câmara criou em março uma CPI para examinar operações do banco de 2003 a 2015, com foco no financiamento à internacionalização de empresas. Em abril, o banco chegou a criar um Grupo de Trabalho para atender informações e documentos solicitados pelos deputados.

Agora, com a demissão de Levy, deputados decidiram acelerar o evento.

Sobre a demissão

Neste domingo (16), Levy emitiu uma nota oficial sobre o seu pedido de desligamento. Agradeceu a confiança dada a ele pelo ministro Paulo Guedes e também aos funcionários do BNDES, e disse que espera que o governo consiga aprovar as reformas necessárias para o desenvolvimento do país. Na nota, em nenhum momento Levy cita o nome do presidente Jair Bolsonaro.

A relação com Bolsonaro vinha se desgastando há algum tempo. Primeiro porque Levy estava resistente na devolução de recursos emprestados pelo Tesouro Nacional ao banco nos governos do PT, a tal caixa-preta que tinha que ser aberta a pedido do atual presidente da República não foi feita a contento.

* Com informações do Estadão Conteúdo