CPI do HSBC volta atrás e desiste de quebrar sigilos

  • Por Jovem Pan
  • 16/07/2015 14h02

Senador do PSol cobrou explicações sobre caos na infraestrutura para o evento

Randolfe Rodrigues diz que Copa é "maior estelionato dos últimos 30 anos"

Em sessão nesta quinta-feira (16), a CPI que apura o caso SwissLeaks desistiu de pedir a quebra de sigilo bancário de seis suspeitos de terem contas ilegais no HSBC da Suíça. A decisão aconteceu um dia depois de o ministro da Justiça Celso de Mello expedir mandado de segurança que autoriza a continuidade da investigação.

A medida recebeu amplo apoio dos políticos presentes, entre eles o senador Paulo Rocha (PT-PA) e o relator Ricardo Ferraço (PMDB-ES). Apenas o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (PSOL), se posicionou contra.

No dia 30 de junho, a Comissão havia determinado a quebra de sigilo e 17 pessoas e na última sessão manteve a apuração de 11. Os empresários privilegiados são: Jacks Rabinovich, Jacob Barata, Jacob Barata Filho, David Ferreira Barata, Rosane Ferreira Barata e Paula Queiroz Frota.

De acordo com o jornalista Jovem Pan Fernando Rodrigues, a “desquebra” do sigilo fiscal foi autorizado porque eles negaram as acusações de terem contas irregulares, o que abre a possibilidade de os outros investigados assumirem a mesma conduta.