Cunha diz que Picciani terá que esperar até 2017 para ocupar seu lugar

  • Por Agência Estado
  • 05/11/2015 13h55

Leonardo Picciani (esq.) ao lado do presidente da Câmara Eduardo Cunha pouco antes de ser eleito novo líder do PMDB

Leonardo Picciani ao lado do presidente da Câmara Eduardo Cunha pouco antes de ser eleito novo líder do PMDB

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), reagiu nesta quinta-feira, 5, às articulações do líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), para ocupar seu lugar no comando da Casa Cunha afirmou que o correligionário terá que esperar até 2017, quando termina seu prazo de dois anos na Presidência da Casa. 

Reportagem do jornal O Globo na sua edição de hoje informa que o presidente da Assembleia Legislativa do Rio, Jorge Picciani, pai de Leonardo, ampliou o debate sobre a sucessão à presidência da Câmara em encontro com a presidente Dilma Rousseff, o ministro Ricardo Berzoini e o assessor especial Giles Azevedo ontem. Como o jornal O Estado de S. Paulo havia mostrado no início de outubro, Leonardo Picciani é o preferido pelo governo para ocupar a presidência da Câmara em uma dobradinha com o PT.

“Em 2017 que se candidate”, respondeu Cunha às tratativas de seu correligionário. Cunha e Picciani eram aliados próximos, mas a relação entre os dois azedou depois que o líder da bancada do PMDB na Câmara começou a se aproximar do governo. Picciani foi contemplado na reforma ministerial do mês passado com duas pastas para a bancada que comanda.

Cunha disse manter uma “relação normal” com Picciani e procurou minimizar a movimentação do peemedebista. “Sou presidente da Câmara, não sou líder do PMDB. Quem está cuidando da liderança do PMDB é o deputado Leonardo Picciani. Se ele, junto com o pai dele, está indo à presidente para tratar de assuntos do Rio ou do PMDB, tem que perguntar a eles e não a mim”, afirmou Cunha.