Cunha já esperava ser preso após a cassação, diz Paulinho da Força

  • Por Estadão Conteúdo
  • 19/10/2016 15h57
Zeca Ribeiro/Câmara dos DeputadosPaulinho da Força - Ag. Câmara

Um dos principais aliados do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na Câmara, o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), o Paulinho da Força, disse nesta quarta-feira (19) que o peemedebista já esperava ser preso, após ter o mandato cassado, em 12 de setembro.

“Ele achava que os caras poderiam prender. (…) Desde a cassação dele, sempre achou que a qualquer hora poderia ser preso”, afirmou Paulinho, que disse ter falado a última vez com o aliado pessoalmente em Brasília, na segunda-feira ou terça-feira antes do feriado de 12 de outubro.

O deputado disse não saber se Cunha fará delação premiada. Segundo ele, antes de ser preso, o peemedebista falava que não delataria. “Não dá para falar sobre isso. É uma questão de cada um. Depende da família também”, disse o parlamentar, que é presidente do Solidariedade.

Paulinho da Força ainda brincou dizendo que, na prisão, o aliado terá mais tempo para escrever o livro sobre o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Cunha foi o presidente da Câmara responsável por autorizar a abertura do processo, em dezembro de 2015.

“Agora ele vai ter mais tempo”, afirmou o presidente do Solidariedade. Paulinho disse que pretende ir visitar o ex-ministro José Dirceu (PT) em Curitiba, onde o petista também está preso, e aproveitar a viagem para visitar Eduardo Cunha.