Cunha tem a Câmara nas mãos, avalia líder da bancada do PTB

  • Por Jovem Pan
  • 15/08/2015 15h19
Jovair Arantes (PTB) fala à Jovem Pan

Dez dias após a bancada de seu partido romper com o governo Dilma Rousseff, o líder do PTB na Câmara dos Deputados, Jovair Arantes, rasgou elogios ao presidente da Casa Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Jovair também se disse contra o impeachment de Dilma e alegou que os deputados do PTB estavam sendo muito “maltratados” por membros do governo, por isso a saída da base de apoio do governo rumo à “independência”.

Jovair avalia que Cunha “tem o comando da Casa de uma forma bem consolidada”. “Ele deu um novo ritmo à Câmara. Hoje a Câmara se apresenta à sociedade de uma forma diferente, de um processo eletivo constante, com votações de matérias importantes à sociedade brasileira e isso fez com que ele tivesse a Câmara nas mãos”, afirmou em entrevista exclusiva ao repórter Jovem Pan em Brasília, José Maria Trindade.

Sobre a Operação Lava Jato, pela qual Cunha é investigado de supostamente ter pedido US$ 5 milhões em propina, Jovair disse que, mesmo se o presidente da Câmara se tornar réu, ele não perderá o prestígio entre os deputados. “Isso é um problema da justiça, um problema dele (de Eduardo Cunha)”, disse. “Não podemos misturar os alhos com os bugalhos”.

“Botar a Câmara para funcionar com autonomia é um grande atrativo para ele continuar tendo o respeito de todos os deputados”, acrescentou Jovair. “Não podemos punir antes de ele (Cunha) ser culpado”.

O líder do PTB na Câmara se disse “satisfeito” com o trabalho “acima da média” de Cunha, que “dá valor à Casa, valoriza os deputados”. “(Cunha) é o melhor (presidente da Câmara) dos últimos tempos, não diz amém a tudo que vem do Planalto”, declarou.

Jovair Arantes também sugeriu que a presidente Dilma tente o diálogo com o presidente da Câmara. “Os dois (Cunha e Dilma) têm personalidade dura”, analisa. “Em qualquer lugar do mundo se resolve conversando”.

PTB e Dilma

Jovair disse ser contra o movimento que pede a saída da presidente. Ele se diz contra “golpe, queda, impeachment”. “Se acha não votou bem, tem que esperar concluir o mandato e aí vamos, no próximo pleito, escolher melhor”, propôs.

O deputado federal não deixa, entretanto, de criticar a “falta de articulação política e incompetência no trato” de Dilma. Especialmente no que se relaciona ao atendimento dos pedidos dos parlamentares de seu partido, e do rompimento no último dia 5. “Minha bancada está sendo muito maltratada nos ministérios, o atendimento de governo é precário às bancadas”, classificou.

“No meio político, mais ainda, você precisa de saber tratar as pessoas, encaminhar as gestões e, muitas vezes, lidar com a adversidade. O governo acha que todos os deputados que aqui estão, da base ou não, são um agregado do Palácio do Planalto e que têm que dizer amém a tudo que chega”, atacou Jovair.

Ele garante, no entanto, que a bancada do PTB “tem ajudado sistematicamente o governo em todas as suas ações” pela governabilidade do País.