Decisão de prender marqueteiro “fecha” ideia de Caixa 2, diz advogado do PSDB

  • Por Agência Estado
  • 22/02/2016 11h03
Presidente reeleita Dilma Roussef faz pronunciamento durante evento em hotel em Brasilia (Fabio Rodrigues Pozzebom /Agência Brasil) Fabio Rodrigues Pozzebom /Agência Brasil - 26/10/2014 Dilma e Lula

O advogado José Eduardo Alckmin, principal defensor nas ações movidas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pelo PSDB para cassar o mandato da presidente Dilma Rousseff e do vice Michel Temer, afirmou nesta segunda-feira, 22, em entrevista ao Broadcast Político (serviço de notícias em tempo real da Agência Estado), que a decisão da nova fase da Operação Lava Jato de prender o marqueteiro João Santana “fecha” a ideia de que houve caixa dois na campanha à reeleição da petista. 

Santana foi o responsável pelo marketing nas duas vitórias de Dilma (2010 e 2014) e na reeleição de Lula em 2006. 

“Tudo vem a fechar a ideia de que houve financiamento irregular da campanha”, disse o advogado, ao lembrar que a conduta é passível com a perda do mandato. Para ele, a decisão “reforça muito” o sucesso nas ações movidas pela oposição.

Para Alckmin, a estratégia é pedir oportunamente ao TSE que inclua nos processos movidos pelo PSDB os elementos utilizados pela Justiça Federal para decretar a prisão de Santana. “Não conheço ainda os fatos, mas pelo que se noticia, é gravíssimo ter havido despesas de campanha fora dos controles próprios”, disse.

A nova fase da operação identificou pagamentos milionários a Santana por meio de contas offshore sediadas no exterior e que não haviam sido declaradas anteriormente. Na avaliação inicial de tucanos, essa fase leva a Lava Jato para o Palácio do Planalto. Desde cedo, integrantes da cúpula do PSDB estão em contato com a área jurídica do partido a fim de afinar a estratégia de atuação.