Decisão do Senado pode prejudicar 500 mil trabalhadores, questiona diretor da 99

  • Por Jovem Pan
  • 30/10/2017 18h23
Marcelo Camargo/Agência BrasilPLC 28/2017 vai obrigar apps de transporte a cumprir uma série de exigências, como vistorias periódicas e licenças para circular

Nesta terça-feira (31), o Senado Federal vai decidir sobre o Projeto de Lei Complementar (PLC) 28/2017, de autoria do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), que regulamenta os aplicativos de transportes. Com a decisão do Plenário, a prestação de serviços por aplicativos terá que cumprir uma série de exigências, como vistorias periódicas e licenças para circular.

Em entrevista à Jovem Pan, o diretor de comunicação e políticas públicas da 99, Matheus Moraes, esclareceu que a medida vai prejudicar mais de 500 mil brasileiros de forma direta. “Nos preocupa muito a forma como este Projeto de Lei está sendo conduzido. A 99 é completamente contrária porque o objetivo deste Projeto é acabar com a renda de mais de 500 mil brasileiros, que trabalham como motorista utilizando os aplicativos. É inconcebível que um projeto que tenha este tamanho de impacto, no momento de recessão com mais de 13 milhões de desempregados, seja discutido dessa forma”, criticou Moraes.

De acordo com o diretor da 99, o PLC 28/2017 não leva em consideração “o que é melhor para a sociedade”, pois não considera os motoristas, que vão perder a fonte de renda, e as famílias, além de 17 milhões de brasileiros que utilizam os serviços dos apps para se locomover todos os dias.

Matheus Moraes ressaltou que a ausência total de discussão abre um precedente péssimo não só para a economia colaborativa, mas para toda a indústria de tecnologia do Brasil. “Como investir nesse cenário e tentar colaborar com a economia do país, se os políticos, que deveriam representar os interesses da sociedade, estão trabalhando contra? Um tipo de movimentação política dessa passa uma mensagem extremamente negativa tanto dentro como fora do Brasil”, declarou.

“Esperamos que o Senado recobre a consciência sobre a decisão que eles têm pela frente. Isso afeta todo o setor de tecnologia, afeta dezenas de milhões de brasileiros e acaba com a renda de mais de 500 mil pessoas”, completou.

O diretor da 99 afirmou que mesmo com a decisão do Senado, a empresa vai manter as operações e seguir firme em seu propósito que é o compromisso com a sociedade. ” A 99 vai brigar para garantir a mobilidade e a renda das pessoas. Só na base da 99 são 15 milhões de pessoas e a gente vai lutar com tudo o que puder”, finalizou Matheus Moraes.

*Com informações do repórter Carlos Aros