Defesa de Aécio está ‘surpresa e indignada’ com buscas na casa da mãe do senador

  • Por Jovem Pan
  • 20/12/2018 14h37
Valter Campanato/Agência BrasilEndereços ligados ao senador e seus aliados também foram alvo na primeira fase da Operação Ross, em 11 de dezembro

A casa da mãe do senador Aécio Neves, do PSDB, foi um dos alvos da nova fase da Operação Ross, deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta quinta-feira (20). A defesa do senador não gostou e veio a público afirmar surpresa e indignação com os três mandados de busca e apreensão em endereços da família Neves.

Para os advogados responsáveis pela defesa do senador, a busca não se justifica, “seja pela completa desnecessidade e descabimento da medida, seja pela total desvinculação de sua mãe com os fatos apurados”, apontou.

Alberto Toron, advogado de Aécio – e também do médium João de Deus – disse, em nota, que o mandado foi emitido com base em uma denúncia anônima que classificou como “mentirosa”. Segundo ele, a denúncia apontava que a residência de Inês Maria Neves Cunha, teria recebido caixas com documentos no dia 11 de dezembro, quando a primeira fase da Operação Ross foi deflagrada.

Toron ressaltou que seu cliente se mantém à disposição da Polícia Federal e das autoridades para esclarecimentos. Ele criticou a busca na casa de Neves Cunha, “lamentável que a intimidade de uma senhora seja afrontada dessa forma, sem que haja nada que justifique”.

A Operação Ross investiga a possibilidade de Aécio Neves ter recebido propina do grupo J&F entre 2007 e 2014. Na primeira fase da operação, em 11 de dezembro, foram realizadas buscas em endereços ligados a ele, a irmã, Andréa Neves e ao deputado federal do PT, Paulinho da Força.

*com informações da Agência Brasil