Defesa de Temer fala em ‘crueldade’ e chama nova acusação de ‘descabida e contraditória’

  • Por Jovem Pan
  • 02/04/2019 17h57
Reprodução/PlanaltoDefesa reafirmou que ex-presidente "não recebeu nenhum tipo de vantagem indevida"

A defesa do ex-presidente Michel Temer acusou a denúncia de suposta prática de lavagem de dinheiro que envolve a reforma da casa de uma de suas filhas de “descabida e contraditória”. O ex-presidente e Maristela viraram réus no caso nesta terça-feira, 2.

“Curioso é que, nos autos do chamado inquérito do decreto dos Portos, que tramitou perante o STF, dizia-se que o dinheiro utilizado na reforma teria sido fruto de pagamento feito por determinado delator, que nenhuma relação tem com a Eletronuclear. Aliás, esta nem mesmo foi mencionada durante a tramitação daquele inquérito, não se podendo saber por que a delação que a ela se refere foi inserida naqueles autos”, disse, em nota, o advogado Eduardo Carnelós.

O defensor de Temer alegou ainda que nenhum dos fatos incluídos na denúncia foram imputados pelo Ministério Público Federal (MPF) do Rio de Janeiro anteriormente e agora surgem na acusação do MPF de São Paulo. “Nenhuma das denúncias oferecidas depois pelo MPF/RJ imputou esses fatos, que, agora, surgem na acusação formulada pelo MPF/SP. Por esta última versão, o dinheiro teria ligação com a Eletronuclear”, escreveu.

“A acusação, além de absolutamente descabida e contraditória, também expressa a crueldade de quem, para persegui-lo, não se peja de envolver a filha dele, atingindo-o assim de forma ainda mais vil”, completou.

A nota reafirmou também o que já disse a defesa de Temer em outras ocasiões: que ele “não recebeu nenhum tipo de vantagem indevida, seja envolvendo a Eletronuclear ou órgãos públicos”.