Defesa de Temer pede prorrogação de prazo para responder a perguntas da PF

  • Por Jovem Pan com Agência Brasil
  • 06/06/2017 17h01
BRA102. BRASILIA (BRASIL), 07/03/2017. El presidente de Brasil, Michel Temer, habla durante una ceremonia oficial de Gobierno en el Palacio de Planalto hoy, martes 7 de marzo de 2017, en Brasilia (Brasil). Temer juramentó hoy al diputado Osmar Serraglio como ministro de Justicia y al senador Aloysio Nunes como canciller, y subrayó la "fundamental integración" que existe entre su Gobierno y el Parlamento. EFE/Joédson AlvesEFE - Michel Temer discursa em Brasília

A defesa do presidente Michel Temer pediu hoje (6) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para ampliar o prazo de 24 horas para que as 82 perguntas feitas pela Polícia Federal sejam respondidas. Ontem (5), a PF enviou à defesa do presidente os questionamentos por escrito, que fazem parte do depoimento no inquérito sobre citações ao presidente, na delação da JBS.

Na petição, os advogados informam que Temer estaria habilitado para responder às perguntas no final desta semana, na sexta-feira (9) ou no sábado (10).

“Em face da complexidade e da surpreendente quantidade dos quesitos formulados (82), entende-se ser absolutamente impossível e contrário ao princípio da razoabilidade exigir-se uma manifestação do Sr. Presidente da República no exíguo prazo de 24 (vinte e quatro) horas, lembrando-se que, para a sua elaboração, não foi consignado nenhum prazo”, argumenta a defesa.

Na semana passada, o ministro Edson Fachin, relator do inquérito, concedeu prazo de 24 horas, após o recebimento, para que o Temer possa responder às perguntas da PF sobre o áudio em que foi gravado em conversa com o empresário Joesley Batista, dono e delator da JBS. Segundo o ministro, o presidente tem o direito constitucional de não produzir provas contra si.