Delação da Odebrecht não cita entregas de R$ 14 milhões em dinheiro e nem identifica 22 codinomes

  • Por Jovem Pan
  • 08/07/2019 12h22
EFEEntre maio de 2013 e maio de 2015, foram feitos mais de R$ 200 milhões em repasses

Passados mais de dois anos mais de dois anos após o acordo de colaboração premiada celebrado entre Ministério Público Federal (MPF) e os delatores da Odebrecht, pelo menos R$ 14 milhões em entregas de dinheiro vivo não foram citadas ou explicadas na delação. Ao confrontar arquivos da transportadora usada para a empreiteira para executar pagamentos ilícitos a políticos e agentes públicos e do registro de conversas de Skype entregues por um ex-funcionário da Transnacional à Polícia Federal (PF) com a programação semanal de pagamentos feita pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, o departamento de propina da empresa, é possível perceber que nem todos os valores foram esclarecidos.

As entregas abarcam um período que vai de maio de 2013 a maio de 2015 e envolvem mais de R$ 200 milhões em repasses. Ao todo, a reportagem identificou pagamentos vinculados a 22 codinomes ainda obscuros, como “Avesso”, “Babaçu”, “Crente”, “Dr Silvana” e “Leleco”. O maior valor supostamente pago está atrelado ao codinome “Príncipe”.

Na planilha da transportadora aparecem, por exemplo, quatro pagamentos no valor total de R$ 2 milhões a uma pessoa chamada Ademir Scarpin. As datas, valores e senhas coincidem com os pagamentos vinculados ao codinome “Sócio 1” na planilha da Odebrecht, que, por sua vez, está relacionado à obra Blumenau. Os supostos pagamentos teriam ocorrido entre fevereiro e abril de 2014 em um prédio comercial na avenida Faria Lima, em Pinheiros. Naquele período, Scarpin era diretor financeiro da Engeform, empreiteira sócia da Odebrecht em um consórcio de saneamento em Blumenau (SC). O codinome “Sócio 1” não foi identificado pelos ex-executivos da Odebrecht à época da delação e permanece misterioso.

Segundo a planilha da Transnacional, foram R$ 3,5 milhões em entregas que teriam sido feitas a Marcelo Marques Casimiro, taxista de confiança do publicitário André Augusto Vieira, acusado de ser operador do ex-presidente da Petrobrás e do Banco do Brasil Aldemir Bendine. Casimiro já foi apontado como portador da propina de R$ 3 milhões que resultou na condenação de Bendine a 11 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, em março de 2018. Neste caso, contudo, o codinome de Bendine na planilha da Odebrecht era “Cobra”. Ele nega as acusações.

A lista inclui, ainda, dois codinomes vinculados à Arena Corinthians, construída pela Odebrecht para a Copa de 2014: “Papai Noel” e “Azeitona”. No primeiro caso, o suposto pagamento, no valor de R$ 500 mil, foi feito a uma pessoa chamada Erasmo em um apartamento nos Jardins. Já o segundo teria sido para Epaminondas. Nos dois casos, as identidades dos beneficiários finais do dinheiro nunca foram reveladas pelos delatores ou divulgadas, já que o inquérito sobre o estádio corintiano sempre estava sob sigilo.

Esquema

A identificação dos codinomes é uma das obrigações impostas pela Procuradoria-Geral da República (PGR) no acordo de delação premiada fechado com 77 executivos da Odebrecht em dezembro de 2016. Na maioria dos casos, o apelido identifica o verdadeiro beneficiário dos pagamentos de propina e caixa 2, enquanto que os nomes que aparecem nos arquivos da transportadora costumam ser os dos intermediários encarregados de pegar o dinheiro para os políticos.

Dinheiro vivo

Lojas de artigos de papelaria, festas e brinquedos da Rua 25 de Março, tradicional ponto de comércio popular no Centro de São Paulo, pequenas fábricas de confecção de roupas no bairro do Brás, e a garagem de uma viação de ônibus no Grajaú, na zona sul paulistana. Esses foram alguns dos 45 locais onde agentes da Transnacional, a transportadora de valores usada por doleiros para fazer os pagamentos ilícitos da Odebrecht, iam buscar quase que diariamente malotes de dinheiro para atender a extensa demanda do departamento de propina da empreiteira no período eleitoral.

A captação do dinheiro era operada pelos doleiros Cláudio Barboza, ou “Tony”, e Vinícius Claret, o “Juca Bala”, presos em 2017 e hoje colaboradores da Lava Jato, com o apoio do chinês Wu Yu Sheng, o “Dragão”, reconhecido pela facilidade em coletar dinheiro com lojistas. Já a distribuição era coordenada pelo doleiro Álvaro José Novis. Identificado como “Paulistinha” ou “Carioquinha” nas planilhas da Odebrecht, ele havia se especializado no serviço operando o esquema do ex-governador Sérgio Cabral (MDB) no Rio, a partir de 2007.

*Com Estadão Conteúdo