Delegado: depoimentos detalhados das vítimas revelam ‘padrão de abuso’ de João de Deus

  • Por Jovem Pan
  • 16/12/2018 19h23 - Atualizado em 16/12/2018 19h39
ERNESTO RODRIGUES/ESTADÃO CONTEÚDO"A palavra da vítima nessa situação tem uma relevância muito grande", garantiu André Fernandes

André Fernandes, delegado-geral da Polícia Civil de Goiás, explicou os próximos passos do caso João de Deus em uma coletiva de imprensa na noite deste domingo (16), logo após a prisão do médium. Ele contou que sua equipe colheu, ao todo, 15 depoimentos “contundentes e precisos” das vítimas e segue acumulando provas para apresentar um inquérito completo ao Poder Judiciário.

“A Polícia Civil colheu ao todo 15 depoimentos. São depoimentos contundentes, precisos, apresentados em um tempo longo, mais de 2 horas, com todos os detalhes. A polícia formou uma convicção na quarta-feira e fizemos então o pedido de prisão por intermédio da força-tarefa. Mantivemos sigilo por que a investigação exige”, explicou.

Mais cedo, a defesa de João de Deus havia tentado desqualificar as acusações de abuso sexual. Questionado sobre isso, Fernandes discordou.

“A palavra da vítima nessa situação tem uma relevância muito grande. Está aí a necessidade de os depoimentos serem detalhados. A polícia formará ainda mais provas essa semana. Um fato importante: vários depoimentos que possuímos reforça o comportamento de abuso. Um padrão de ação. Isso será levado em conta pelo poder judiciário. Temos outras provas que não podemos revelar por conta da investigação”, disse.

“O que chama atenção é a singularidade de comportamento. O comportamento tem um ato comum. O modus operandi é comum. Ele foi traçado por vítimas que não se conheciam. Percebemos essa igualdade de comportamento”, completou.

A entrevista foi interrompida, então, para que o delegado pudesse participar do início do interrogatório do denunciado.