DEM tenta se descolar da imagem de integrante do ‘Centrão’

  • Por Jovem Pan
  • 30/05/2019 08h19 - Atualizado em 30/05/2019 08h34
Luis Macedo/Câmara dos DeputadosClassificado por Jair Bolsonaro como "velha política", grupo foi alvo, no domingo, das manifestações de rua em defesa do governo

Alvo de críticas do governo e da população nos últimos protestos, o DEM começou uma reformulação para se descolar do rótulo de integrante do Centrão. Nesta quinta (30), o partido aplicará uma estratégia a partir da convenção nacional para reagir ao desgaste cada vez maior da imagem de agremiação fisiológica.

Sob o mote “O Brasil não pode parar”, o encontro do partido, em Brasília, defenderá a agenda econômica com foco nas reformas da Previdência e tributária, mas, nos discursos, dirigentes do partido manterão uma distância regulamentar do Centrão. A campanha para “desligar” a sigla do grupo também terá destaque nas redes sociais.

Classificado pelo presidente Jair Bolsonaro como “velha política”, o Centrão foi alvo, no domingo, das manifestações de rua em defesa do governo. O bloco informal reúne partidos como DEM, PP, PL (ex-PR), PRB, MDB e Solidariedade e é formado por cerca de 230 dos 513 deputados.

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), é visto como articulador político do grupo, que já impôs uma série de derrotas ao Palácio do Planalto, como a retirada do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) das mãos do ministro da Justiça, Sérgio Moro, e a aprovação do Orçamento impositivo.

“O Democratas nunca será Centrão”, disse o presidente do DEM, ACM Neto, logo após as mobilizações, há quatro dias, dando a senha para a reação do partido. Prefeito de Salvador, ACM Neto saiu em defesa de Maia, que foi criticado nas ruas. No Rio, manifestantes carregaram até mesmo um boneco pixuleco com o rosto do deputado.

“Fiquei triste com os ataques a Maia. Houve exageros nas críticas”, afirmou ACM Neto, que será reeleito nesta quinta para um mandato de mais três anos na presidência do DEM.

Com três ministérios no governo (Casa Civil, Saúde e Agricultura) e o comando da Câmara e do Senado, o DEM tem pesquisas mostrando que, quando a sigla é vinculada ao Centrão, perde apoio. O desgaste preocupa a cúpula do DEM em um ano pré-eleitoral. Em 2020, o partido quer apresentar candidatos às prefeituras das principais capitais e, dois anos depois, ACM deve concorrer ao governo da Bahia. Atualmente, o DEM administra Goiás e Mato Grosso.

“Quem quebrou o Centrão fomos nós, mas isso não é dito. E agora Kassab não é Centrão e eu sou?”, perguntou o líder do DEM na Câmara, Elmar Nascimento (BA), em referência ao ex-ministro Gilberto Kassab, presidente do PSD, partido que foi formado a partir de uma dissidência do DEM. “Não dá para aceitar isso porque é injusto”, completou Elmar.

Na tentativa de se desvincular do Centrão, dirigentes do DEM lembram que, em julho de 2016, após Cunha renunciar à presidência da Câmara – alvejado pela Lava Lato -, Maia venceu o então deputado Rogério Rosso, do PSD de Kassab, na disputa pelo comando da Casa. À época, a vitória de Maia foi considerada uma derrota do Centrão e de Cunha, que apoiavam Rosso.

“Somos o partido moderador, que tem se alinhado com o governo na agenda econômica, mas não na pauta de costumes”, observou o deputado Efraim Filho (DEM-PB). “Então, não vamos deixar de apoiar propostas do governo, se tivermos identidade com elas, porque o Centrão é contra, e vice-versa. Não temos alinhamento automático.”

Apesar de ocupar três ministérios na equipe de Bolsonaro, o DEM não integra a base aliada do Planalto, sob o argumento de que tem “autonomia e independência”. A cúpula do partido alega, ainda, que os ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Luiz Mandetta (Saúde) e Tereza Cristina (Agricultura), embora filiados, são da “cota pessoal” de Bolsonaro.

O incômodo com o rótulo “Centrão” aumenta à medida que o “bombardeio” nas redes é ampliado. Nos bastidores, deputados têm certeza de que essas críticas são puxadas pelo presidente e por seu filho “02”, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ).

O grupo que dá as cartas do poder na Câmara costuma ser associado, desde a era Cunha, a práticas que ficaram conhecidas como “toma lá, dá cá”. “Não existe Centrão. Isso é uma invenção sem sentido”, afirmou o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), líder da Maioria.

A direção de jornalismo da Câmara proibiu, nesta quarta-feira, 29, o uso do termo “Centrão” nos meios oficiais de comunicação da Casa, como rádio, TV, agência e redes sociais, sob a alegação de que a palavra é usada “pejorativamente para designar alguns partidos que poderiam ou não entrar na base do governo”.

Um e-mail enviado aos profissionais afirma que o “rótulo” é uma “abstração” porque o grupo não existe formalmente como bloco de atuação na Câmara. A reportagem apurou que Maia não foi consultado sobre a proibição antes da distribuição da circular.

Estadão Conteúdo