Sete deputados já registraram candidatura à presidência da Câmara

  • Por Jovem Pan
  • 01/02/2019 16h02
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoParlamentares da nova legislatura assumiram mandatos nesta sexta-feira

Sete deputados federais já registraram candidatura para a presidência da Câmara, nesta sexta-feira (1º). Estão confirmados na disputa: Rodrigo Maia (DEM-RJ), Marcelo Freixo (PSOL-RJ), Fábio Ramalho (MDB-MG), João Henrique Caldas (PSB-AL), General Peternelli (PSL-SP) e Ricardo Barros (PP-PR), além de Marcel Van Hattem (Novo-RS).

Atual presidente da Casa, Maia foi um dos últimos a fazer o registro. Com uma grande base de apoio – que inclui o PSL, do presidente da República, Jair Bolsonaro – ele é favorito e deve ter vitória fácil no primeiro turno. A apresentação de candidaturas se encerra às 17 horas e a votação está marcada para uma hora depois, em plenário.

Ramalho, Peternelli e Barros – ex-ministro da Saúde – são candidatos avulsos, já que as legendas a que pertencem decidiram apoiar a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ). Único candidato de oposição, Marcelo Freixo também foi um dos últimos a registrar o nome à disputa e deve contar com apoio da bancada do PT, a maior da Câmara.

Para vencer em primeiro turno, o candidato deve ter metade mais um voto dos presentes, sendo que o quórum mínimo da sessão é de 257 deputados. Se a quantidade não for atingida, haverá segundo turno entre os dois primeiros colocados na disputa. Na divisão de blocos para garantir cargos na Câmara, o Novo e o PTC ficaram avulsos.

Blocos parlamentares

O grande grupo costurado por Rodrigo Maia (DEM-RJ) para favorecer reeleição foi dividido. O maior bloco, encabeçado pelo PSL, do presidente Jair Bolsonaro, ficou ainda com PP, PSD, MDB, PR, PRB, DEM, PSDB, PTB, PSC E PMN, com 301 parlamentares – mais da metade do total de deputados da Câmara, ando boa base ao governo federal.

O segundo bloco é encabeçado pelo PDT e tem ainda PODE, SD, PCdoB, Patri, PPS, PROS, Avante, PV e DC, com 105 deputados. Eles também apoiam Maia. O bloco de oposição acabou sendo formado por Partido dos Trabalhadores, PSB, PSOL e Rede, com 98 deputados – o grupo deve apoiar majoritariamente a candidatura de Freixo.