Dia de caos: Temporal trava a Grande São Paulo

  • Por Jovem Pan
  • 10/02/2020 15h19
FÁBIO VIEIRA/FOTORUA/ESTADÃO CONTEÚDOCorpo de Bombeiros usa bote para resgatar pessoas na Marginal Tietê, em São Paulo

A chuva contínua que assola a Grande São Paulo desde a noite de domingo (9) deixou um rastro de destruição, travou o trânsito, comprometeu serviços públicos e prejudicou especialmente a vida do paulistano nesta segunda-feira (10). É o maior temporal que atinge a região metropolitana no mês de fevereiro em 37 anos, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Na capital, a área mais atingida foi a Oeste, mas desde as primeiras horas da manhã desta segunda o deslocamento tornou-se impossível em algumas das principais vias que cortam a cidade. Além disso, linhas de trens e do Metrô foram paralisadas (leia detalhes abaixo). Com a circulação inviabilizada, a prefeitura suspendeu o rodízio de veículos. A previsão é mais chuva ao longo do dia e as autoridades estaduais e municipais recomendaram que os moradores não saiam de casa.

O Corpo de Bombeiros contabilizou 978 chamados para enchentes até as 18h15, com 169 para desmoronamentos e 195 para queda de árvores. Felizmente, nenhuma morte foi registrada. Entre 0h e 15h, foram mais de 7 mil chamados.

Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) informou, às 12h, que toda a cidade segue em estado de alerta em decorrência do transbordamento de córregos e rios.

Mobilidade

Trechos das Marginais Titê e Pinheiros registraram alagamentos e algumas pessoas passaram horas dentro dos carros. Bombeiros usaram barcos para resgatar quem ficou preso nas enchentes. A chegada à capital foi comprometida pelas rodovias Dutra, Fernão Dias, Imigrantes e Bandeirantes. O tráfego segue normal em todas as rodovias do Sistema Anchieta-Imigrantes.

Por volta das 22h, as Marginais tiveram os trechos liberados para o trânsito.

A SPTrans informou que linhas de ônibus que passam pelas marginais sofreram alterações no itinerário. Segundo o último boletim da EMTU, por volta das 16h, os terminais Taboão e Guarulhos permanecem com alagamento. A linha 802 está realizando desvio pela Av. Otávio Braga de mesquita, Rua José Campanella, retornando ao corredor. Linhas com destino ao Metrô Armênia estão inoperantes e ao Metrô Penha estão com intervalos prolongados.

Também estão sendo registrados atrasos de, aproximadamente, uma hora na operação das linhas metropolitanas devido aos alagamentos nas cidades de Osasco, Barueri, Santana de Parnaíba e Itapevi.

A CPTM informou por volta das 18h que, por motivo de alagamento, a L7 – Rubi está com maiores intervalos entre Brás e Francisco Morato e a Linha 9 – Esmeralda está com circulação interrompida entre Osasco e Santo Amaro, com atendimento dos ônibus do Paese.

Escolas

A chuva comprometeu as aulas em 37 escolas da rede estadual em todo o Estado de SP. Instituições de ensino privadas também tiveram a rotina alterada. O Colégio Santa Cruz, na região de Pinheiros, foi um dos que sofreram com a chuva (veja o vídeo abaixo). A escola foi inundada, inclusive a biblioteca recém-inaugurada.

A rede municipal não divulgou informações sobre suspensão de aulas. Em nota, a prefeitura de São Paulo confirmou que as aulas seguem confirmadas para esta terça-feira (11). Em Osasco e Barueri, as prefeituras decidiram suspender as atividades em todas as escolas municipais na segunda.

Aeroportos

Os aeroportos de Guarulhos e Congonhas tiveram voos cancelados. Segundo a concessionária GRU Airport, 28 voos foram cancelados e outros 21 que tinham o aeroporto internacional como destino tiveram de ser alternados para outros aeroportos. 40 pousos e decolagens estão atrasados. Imagens de emissoras de TV mostraram alagamentos também no Campo de Marte.

Já no Aeroporto de Congonhas, segundo a Infraero, dos 169 voos programados para esta segunda-feira, 142 partiram no horário. Até as 16h, 18 estavam atrasados e cinco foram cancelados.

Passageiros que perderam voos por causa da chuva serão reembolsados pelas companhias aéreas. Saiba como aqui.

Serviços públicos

Órgãos públicos tiveram o expediente suspenso, como o Fórum da Barra da Funda, Tribunal de Justiça de São Paulo e o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2). Serviços de saúde e hospitais também atendem com número reduzido de funcionários.

Comércios e empresas também pararam. O pátio da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) amanheceu alagado, e as feiras que aconteceriam no local nos próximos dias foram canceladas.

De acordo com a prefeitura de São Paulo, todos os serviços de saúde têm condições de operar nesta terça-feira (11).

Vizinhança

Além da capital, municípios da região metropolitana foram afetados. Em Osasco, um menino de 7 anos de idade ficou soterrado após o desabamento na região conhecida como Morro do Socó. Ele foi socorrido pelos Bombeiros e passa bem (veja o vídeo abaixo). No ABC paulista e litoral foram registrados alagamentos.

Interior

Em São Carlos, a chuva segue intensa e com raios. As cidades de Sumaré e Paulínia também estão na mesma situação. Em Botucatu, no interior do Estado, uma cratera se abriu na pista e famílias estão desabrigadas.