Dilma usará governo FHC como argumento para se livrar de “pedaladas”

  • Por Jovem Pan
  • 21/07/2015 12h17
BRASÍLIA,DF,06.07.2015:DILMA-LEI-INCLUSÃO-PESSOA-DEFICIÊNCIA - A Presidente da República, Dilma Rousseff durante cerimônia de Sanção da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), nesta segunda-feira (06). A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, O ministro da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência, Pepe Vargas e a ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência, Eleonora Menicucci estiveram presentes. (Foto: Charles Sholl/Futura Press/Folhapress)Dilma

Para evitar a reprovação das contas públicas de 2014 no TCU, o Palácio do Planalto fará defesa usando como argumento que as chamadas “pedaladas fiscais” já haviam sido praticadas durante o governo de Fernando Henrique Cardoso. De acordo com informações do jornal O Estado de S.Paulo, a estratégia também deve acusar 17 Estados de participarem da manobra.

Devem ser apresentados dados de 2000 e 2001 que mostram atrasos nos repasses à Caixa, o que provaria que esse recurso não foi antes motivo para rejeição.

O prazo para a apresentação da defesa do governo termina nesta quarta-feira (22) e a presidente Dilma Rousseff realizou nesta segunda (21) uma reunião para acertar os últimos detalhes do processo.

Caso a rejeição seja confirmada pelo Tribunal de Contas da União, o resultado pode servir de argumento para a oposição, que quer o impeachment de Dilma, uma vez que a presidente teria cometido crime de responsabilidade.

A única vez que aconteceu a reprovação das contas do governo foi em 1937, com Getúlio Vargas no poder.