Donos da Gregory são absolvidos em ação por trabalho escravo

  • Por Jovem Pan
  • 05/02/2019 15h30 - Atualizado em 05/02/2019 15h34
Reprodução Os sócios Antônio e Delmira Duca viraram réus em 2017, cinco anos após o resgate 22 bolivianos por auditores-fiscais

Antônio Matos Duca e Delmira Duca, donos da confecção de roupas Gregory, foram absolvidos pelo Tribunal Federal em São Paulo em ação na qual respondiam por manterem trabalhadores bolivianos em condição análoga à escravidão.

Eles viraram réus em 2017, cinco anos após o resgate de 22 bolivianos “submetidos a condições degradantes, jornadas exaustivas e atividades forçadas”. Esse resgate foi realizado por auditores-fiscais durante ação do programa de erradicação do trabalho escravo urbano.

Ao todo, quatro réus foram absolvidos. Além deles, deixam de ser suspeitos Won Yong Paek, dono da WS Modas Ltda. – terceirizada da Gregory – e Patrícia Su Hyun Ha, fornecedora da confecção de roupas da Gregory.

A decisão da juíza federal Raecler Baldresca aponta que “não é possível supor, ainda mais se considerando que os fatos ora apurados ocorreram há mais de seis anos, que os acusados possuíam o conhecimento das condições degradantes em que os produtores de suas peças se encontravam. Assim, ausentes elementos que comprovem a atuação especifica e deliberada dos réus na pratica delitiva, a absolvição de todos é medida que se impõe”.

A defesa da marca pontuou que a Gregory não fabrica peças, “tão somente as revende. Ao longo do processo, ficou provado que a Gregory jamais se utilizou de mão-de-obra escrava, sendo totalmente contra essa exploração absurda”, disse o criminalista Luiz Flávio Borges D’urso, advogado de defesa do Gregory.

O advogado comemora a inocência dos clientes e aponta que os sócios da Gregory “sempre prezaram pela dignidade e bem-estar de seus funcionários e dos funcionários de seus fornecedores”, concluiu.

*com informações do Estadão Conteúdo