Doria admite segunda onda da Covid-19: ‘2021 será um ano difícil’

Em reunião com prefeitos paulistas, governador detalhou plano de vacinação contra coronavírus em São Paulo 

  • Por Jovem Pan
  • 06/01/2021 12h25 - Atualizado em 06/01/2021 12h45
ANTONIO MOLINA/ZIMEL PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - 17/12/2020 O governador João Doria se reuniu com 645 prefeitos nesta quarta-feira

O governador João Doria (PSDB) se reuniu nesta quarta-feira, 6, com os 645 prefeitos que tomaram posse no último dia 1º para detalhar o plano de vacinação contra Covid-19 no estado de São Paulo. Antes de apresentar o plano, Doria fez um pronunciamento sobre situação da pandemia no país e admitiu que a segunda onda está em curso no Brasil. “A segunda onda da Covid-19, infelizmente, chegou ao Brasil e chegou ao mundo. Nós não tínhamos essa expectativa até outubro do ano passado, mas, lamentavelmente, São Paulo e Brasil estão vivendo uma segunda onda desse vírus”, iniciou o governador. “O fácil é não fazer, o fácil é deixar de agir. O difícil é ter atitude, é fazer, é defender, é proteger vidas”, afirmou Doria aos prefeitos. “Esse ano de 2021 será muito mais difícil do que nós imaginávamos em outubro passado.” De acordo com o governador, todo o estado será vacinado até o final de 2021. Doria não deu mais detalhes sobre a afirmação.

Em seguida, o secretário da Saúde do Estado de São Paulo, Jean Carlo Gorinchteyn, detalhou o plano de vacinação, que será iniciado em 25 de janeiro. A primeira fase contemplará trabalhadores da área da saúde, quilombolas, indígenas e a população idade superior a 60 anos. Segundo Gorinchteyn, 9 milhões de pessoas serão vacinadas até 28 de março. Cada pessoa receberá 2 doses da CoronaVac, vacina desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac e o Instituto Butantan, intervaladas em 21 dias. A primeira fase será organizada por faixas etárias. Os estudos da primeira e segunda fase da vacina, que foram realizados com 50 mil voluntários, demonstraram que 94,7% não tiveram nenhum evento adverso, sendo que 99,7% dos eventos foram de baixa gravidade, como dor local e dor de cabeça. Segundo a revista The Lancet, a CoronaVac produz resposta imune em 97% dos casos. Os resultados finais sobre a terceira fase e eficácia do imunizante serão apresentados pelo governo de São Paulo na quinta-feira, 7.

Tabela de imunização por faixa etária:

Primeira fase do Plano de Vacinação contra covid-19 do estado de São Paulo